Cabo Verde cria fundo com 1,3 milhões de euros para responder a emergências

O governo cabo-verdiano anunciou esta terça-feira a criação de um fundo nacional de emergência, que vai começar com um valor base de 1,3 milhões de euros, para fazer face a catástrofes naturais e aumentar a capacidade operacional do país.

O governo cabo-verdiano anunciou esta terça-feira a criação de um fundo nacional de emergência, que vai começar com um valor base de 1,3 milhões de euros, para fazer face a catástrofes naturais e aumentar a capacidade operacional do país.

O anúncio foi feito pelo ministro Fernando Elísio Freire, indicando que o decreto-lei que cria o Fundo de Nacional de Emergência (FNE) foi aprovado na segunda-feira, em reunião do Conselho de Ministros.

Em declaração à imprensa, o porta-voz do governo notou que Cabo Verde é um arquipélago vulcânico, vulnerável às mudanças climáticas e que ao longo da sua história tem lidado com muitas secas, algumas inundações, erupções vulcânicas e incêndios.

“Têm sido catástrofes que têm abalado o país e emergências que o país tem de fazer face. Para repor a normalidade, tem-se exigido um enorme esforço financeiro ao Estado de Cabo Verde e ao Orçamento do Estado e pela doação internacional”, lembrou o governante.

Fernando Elísio Freire salientou, no entanto, que tem havido “uma diferença” entre o momento da atuação e o momento em que é necessário os recursos, pelo que foi necessário dotar o país de um mecanismo financeiro de preparação das emergências e aumento da capacidade operacional para uma “atuação rápida” em caso de catástrofes e emergência.

No ano passado, Cabo Verde enfrentou uma das piores secas das últimas décadas e recebeu ajuda da comunidade internacional – União Europeia, Estados Unidos, FAO, entre outros -, de cerca de dez milhões de euros, para mitigar os seus efeitos.

Em 2016, a União Europeia aprovou um pacote de sete milhões de euros ao país para responder aos estragos causados pelas chuvas na ilha de Santo Antão e dois anos antes tinha contado com a comunidade internacional para ajudar os deslocados da erupção vulcânica na ilha do Fogo.

O porta-voz do Conselho de Ministros disse que o fundo será alimentado com 0,5% das receitas tributárias não consignadas do ano anterior a que se refere o Orçamento do Estado, bem como rendimentos provenientes de aplicação financeira, comparticipações das entidades públicas e privadas e das entidades internacionais.

Tendo em conta os números do Orçamento do Estado de 2018, o fundo vai começar a funcionar no próximo ano com um valor base de entre 120 milhões a 150 milhões de escudos cabo-verdianos (entre um milhão e 1,3 milhões de euros).

Fernando Elísio Freire adiantou que os valores não utilizados num ano serão acumuláveis para anos seguintes, para casos de emergência e também para aumentar a capacidade operacional.

“A criação deste fundo de emergência nacional é fundamental e estrutural para que Cabo Verde possa dar uma resposta consistente aos fenómenos naturais que têm abalado o nosso país nos últimos anos”, sustentou.

Segundo o ministro, o fundo pode ainda aplicar as suas receitas em participação no mercado secundário da dívida pública, participar no mercado interbancário, quando autorizado pelo banco central, conceder apoio e auxílio a pessoas e entidades elegíveis, como os serviços de administração direta e indireta do Estado e as câmaras municipais.

Fernando Elísio Freire adiantou que a condição de acesso ao fundo é a declaração de situação de alerta, nos temos da lei que estabelece as bases gerais da Proteção Civil e no diploma que regula a declaração de calamidade pública.

O fundo terá um regime jurídico dos fundos autónomos e será dotado de autonomia financeira e administrativa, segundo o também ministro dos Assuntos Parlamentares, da Presidência do Conselho de Ministros e do Desporto cabo-verdiano.

Também terá um gestor executivo e dois vogais não executivos, sob a responsabilidade dos Ministérios das Finanças, que vai ocupar das questões financeiras, administrativas e patrimoniais, e da Administração Interna, com as questões técnicas da Proteção Civil.

“Isto nos permitirá atuar muito mais rápido e depender muito menos da ajuda externa”, fritou o ministro, sublinhando que o que acontece a Cabo Verde também pode acontecer aos outros países, que podem não estar sempre disponíveis.

A criação de um fundo permanente para responder às situações de catástrofe e emergência já tinha sido defendido pelo Presidente da República de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, considerando que assim se poderia ter “mais previsibilidade” nas situações.

Ler mais
Recomendadas

Plano energético de Cabo Verde prevê penetração de renováveis de 50% até 2030

Nesta aposta em energias renováveis a baixo custo, o governo tem previsto no quadro do Orçamento do Estado para 2019 algumas medidas, uma delas, de acordo com Alexandre Monteiro, é a redução em 50% para as famílias que apostem em painéis solares.

Hotéis em Cabo Verde receberam mais de 170 mil hóspedes no terceiro trimestre

A ilha do Sal teve maior acolhimento, com 51,0% do total das entradas, seguida da ilha do Boa Vista, com 30,6%.

Governo de Cabo Verde afirma que “posição do Doing Business não reflete conjunto de medidas em curso”

O primeiro-ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva, fez o discurso de abertura da XXII edição da Feira Internacional de Cabo Verde. De entre os participantes, 61% são empresas de direito cabo-verdiano e 37% com capital português, que é “o principal país estrangeiro “presente.
Comentários