Cabo Verde espera financiamento dos parceiros para programa de luta contra drogas

O primeiro-ministro de Cabo Verde vai procurar junto dos parceiros o financiamento do Programa Nacional Integrado de Luta Contra Drogas e Crimes Conexos, orçado em sete milhões de dólares, mas prometeu que esse projeto “não deixará de ser feito”.

O primeiro-ministro de Cabo Verde vai procurar junto dos parceiros o financiamento do Programa Nacional Integrado de Luta Contra Drogas e Crimes Conexos, orçado em sete milhões de dólares, mas prometeu que esse projeto “não deixará de ser feito”.

Ulisses Correia e Silva, que hoje presidiu à sessão de abertura do Encontro de Validação do Programa Nacional Integrado de Luta Contra Drogas e Crimes Conexos (PNLCDCC) – 2018/2023, na cidade da Praia, revelou que no próximo dia 11 de dezembro vai participar numa reunião com parceiros, em Paris, com vista à angariação de financiamentos.

“Vamos mobilizar. Evidentemente que o governo fará a sua parte e que o programa não deixará de ser feito por falta de recursos”, assegurou.

O chefe do Governo sublinhou a importância deste Programa que abrange “dois domínios muito importantes e que tocam com a vida social, económica, de segurança e particularmente as famílias: a droga e o álcool”.

“Este programa é para darmos um bom combate para a redução do nível de prevalência de situações de consumo e tráfico de droga e álcool”, disse.

Com várias componentes e um orçamento de sete milhões de dólares (cerca de 6,1 milhões de euros), o programa permitirá “um bom combate hoje para preservar o amanhã, particularmente em relação aos jovens e à proteção das famílias”.

“Podemos reforçar e melhorar ainda mais a situação em Cabo Verde, tendo em conta as diversas conexões que esta problemática tem, particularmente em relação à segurança”, disse o primeiro-ministro.

Ulisses Correia e Silva recordou que “Cabo Verde, pela sua localização geográfica, está em zonas de muito tráfico na África Ocidental, até chegar ao golfo da Guiné”.

“Cabo Verde tem todo o interesse em desenvolver boas alianças e boas parcerias para uma segurança corporativa, com a Europa, EUA, não só para tornar o nosso país mais seguro, como contribuir para a segurança cooperativa da região onde estamos inseridos”, adiantou.

Na cerimónia de abertura participou igualmente o ministro da Saúde e da Segurança Social, Arlindo do Rosário, que sublinhou a complexidade do tema.

“O principal objetivo das políticas de drogas deve ser a proteção à saúde, coesão social e segurança pública, através de abordagens equilibradas, integradas, multissetoriais e multidisciplinares, baseadas em dados científicos e evidências”, disse.

Nestas políticas, as “ações para reduzir a oferta e a demanda de drogas devem ser igualmente importantes e apoiarem-se mutuamente, sempre dentro de uma perspetiva de respeito aos direitos e à dignidade da pessoa humana”, disse.

A representante adjunta do Escritório das Nações Unidas contra a Droga e o Crime (ONUDC), Chantal Lacroix, alertou para “uma maior necessidade de estratégias de prevenção e de tratamento de toxicodependentes, principalmente de drogas injetáveis”.

Em Cabo Verde, assinalou, registaram-se “progressos importantes na luta contra a criminalidade organizacional”, mas “ainda há um caminho a percorrer”.

Ler mais
Recomendadas

Direção da Confederação Empresarial da CPLP reconduzida

“Eu quero acreditar se focarmos na livre circulação da comunidade estaremos em condições de dentro de duas décadas ocuparmos um espeço na economia global”, referiuo moçambicano Salimo Abdula,

Novo presidente do TdC de Cabo Verde quer reforço dos recursos humanos e financeiros

O repto foi lançado esta quarta-feira, na Cidade da Praia, por João da Cruz Silva, durante a cerimónia de empossamento presidida pelo Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, tendo realçado que a nova lei do Tribunal de Contas marca uma nova era da instituição e reformar a forma de trabalhar do pessoal.

Portuguesa SolarImpact leva a Cabo Verde soluções para aproveitar energia solar

A empresa portuguesa assinalou a entrada no mercado cabo-verdiano com a montagem, a título simbólico, de um sistema de produção de energia solar fabricado 100% por si, numa residencial em Chã das Caldeira, na Ilha do Fogo.
Comentários