Cabo Verde garante que proposta de mobilidade vai ao próximo conselho de ministros da CPLP

“Nós vamos apresentar o projeto político e esperamos que ele seja aprovado no dia 19”, afirmou aos jornalistas, em Lisboa, o ministro cabo-verdiano Luís Filipe Tavares, país que tem neste momento a presidência rotativa da CPLP.

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Cabo Verde, Luís Filipe Tavares, garantiu este sábado, que “o projeto político” de mobilidade vai à próxima reunião dos ministros de Negócios Estrangeiros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), agendada para 19 de julho.

“Nós vamos apresentar o projeto político [da mobilidade] e esperamos que ele seja aprovado no dia 19”, afirmou em declarações aos jornalistas, em Lisboa, o ministro cabo-verdiano, país que tem neste momento a presidência rotativa da CPLP.

Questionado, à margem da cerimónia de inauguração do Centro Cultural de Cabo Verde em Lisboa, que decorreu este sábado, sobre eventuais obstáculos levantados por alguns dos estados-membros da CPLP relativamente à proposta de livre circulação de pessoas no espaço daquela organização, apresentada pela presidência cabo-verdiana, Luís Filipe Tavares apenas respondeu: “estamos a trabalhar com muita fé. (…) E com a mesma esperança”.

“Nós fizemos um projeto que é muito flexível, que permite aos estados analisarem cuidadosamente aquilo que querem, e a flexibilidade é tanta que os estados podem depois vir bilateralmente a organizar-se entre si e fazer um acordo, mas também podem fazê-lo a nove, dois, três, quatro, seis”.

A reunião do Comité de Concertação Permanente da CPLP, que se realiza na segunda-feira, “faz a proposta da agenda, e já dissemos que queremos esta proposta da mobilidade na agenda do Conselho de Ministros”, reiterou.

“Vai o projeto político para ser aprovado. Se conseguirmos fazer aprovar o texto do acordo no dia 19, óptimo. Se não conseguirmos, vamos aprovar o projeto político, e depois vamos criar um comité de redação para dentro de algumas semanas redigir uma proposta consensual, que depois será aprovada. Mas eu acredito que há condições para dia 19 de julho resolvermos este assunto”, disse o ministro.

Luís Filipe Tavares colocou, contudo, como horizonte final para aprovação de um acordo o período da presidência cabo-verdiana. “Durante a presidência de Cabo Verde da CPLP é possível chegar a um acordo histórico sobre a mobilidade no seio dos nove estados-membros”.

Em relação ao relatório da comissão de avaliação da CPLP que visitou a Guiné Equatorial em junho, o ministro não quis comentar, referindo apenas que o que Cabo Verde queria era que “a abolição da pena de morte acontecesse até ao final do ano”, um compromisso assumido pela Guiné Equatorial aquando da visita do Presidente Teodoro Obiang a Cabo Verde.

“Estamos otimistas e acreditamos que a Guiné Equatorial vai cumprir o prometido”, afirmou Luís Filipe Tavares.

Ainda neste quadro da presidência cabo-verdiana da CPLP “vamos promover aqui [no centro cultural de Cabo Verde inaugurado no sábado], a cultura dos países de língua portuguesa, em primeiro lugar, mas também a cultura africana, de uma forma geral. Queremos fazer com que este seja um espaço dedicado à cultura africana e vamos convidar artistas dos países africanos para virem cá fazer as suas exposições e participarem em tertúlias e eventos culturais, que vamos organizar”, referiu ainda o ministro.

Ler mais
Recomendadas

BICV e Ecobank emprestam 21 milhões de euros à Cabo Verde Airlines

Os representantes dos bancos, BICV e Ecobank, que vão assegurar este financiamento assumiram acreditar no projeto, classificando-o de “estratégico” para Cabo Verde.

Governo de Cabo Verde vai impedir interferência na aprovação do orçamento do banco central

Segundo o ministro das Finanças cabo-verdiano, os órgãos do Banco de Cabo Verde terão “todos os poderes para fazer a gestão da instituição e prestar contas às entidades externas nos termos que a lei dispõe”.

Ulisses Correia: “É preciso investir mais nas posturas municipais e na autonomia das famílias”

O primeiro-ministro de Cabo Verde disse afirma que toda a estratégia de desenvolvimento do país tem “necessariamente” de se basear em horizontes temporais de longo prazo para atingir objetivos com “consistência, perseverança e atitude empreendedora”.
Comentários