Cabo Verde vai ajudar Moçambique com 178 mil euros

De acordo com o chefe do governo cabo-verdiano, o apoio irá concretizar-se através de uma verba oriunda do Orçamento do Estado e de empresas que estão a ser contactadas pelo Executivo para esse fim.

Cabo Verde vai ajudar Moçambique com uma verba que poderá atingir os 200 mil dólares (aproximadamente 178 mil euros) e está a analisar a possibilidade de enviar uma equipa para ajudar as populações afetadas pelo ciclone Idai, disse à Lusa o primeiro-ministro cabo-verdiano.

Ulisses Correia e Silva falava no final da cerimónia de lançamento do projeto de Reforço de Educação e de Desenvolvimento de Competências (PREDC) pelo Governo de Cabo Verde, em parceria com o Banco Mundial, que se realizou esta quinta-feira na cidade da Praia.

De acordo com o chefe do governo cabo-verdiano, a ajuda a Moçambique irá concretizar-se através de uma verba oriunda do Orçamento do Estado e de empresas que estão a ser contactadas pelo Executivo para esse fim.

“Através do Orçamento do Estado, dentro das nossas condições, vamos afetar uma verba importante para o apoio à situação de emergência que existe hoje em Moçambique e estamos também a mobilizar recursos junto das empresas para que, de uma forma voluntária e solidária, possam participar”, disse.

E acrescentou: “Pensamos que podemos atingir uma verba na ordem dos 200 mil dólares, com a participação do Governo e das empresas, para darmos uma contribuição de Cabo Verde para uma situação que é gravíssima”.

Além deste montante, o executivo de Cabo Verde está a analisar a possibilidade de enviar uma equipa para o terreno. “Vamos organizar um encontro com diversas entidades, como a Proteção Civil, Forças Armadas, Cruz Vermelha para ver o que se pode disponibilizar em termos de participação no terreno, para darmos também a nossa contribuição”, adiantou.

Ulisses Correia e Silva adiantou que o governo e a Presidência da República têm estado a trabalhar “de uma forma muito sintonizada”, de forma a brevemente Cabo Verde “dar um sinal muito forte” da sua contribuição e solidariedade “para minorar a situação em Moçambique”.

O número de mortos confirmados na sequência do ciclone no centro de Moçambique subiu para 217, segundo dados oficiais divulgados.

Numa conferência de imprensa na Beira, o ministro da Terra e do Planeamento Territorial, Celso Correia, disse que estavam ainda em risco, na quarta-feira, cerca de 15 mil pessoas. O governante adiantou que foram resgatadas cerca de 3.000 pessoas desde quarta-feira.

A passagem do ciclone Idai em Moçambique, Maláui e Zimbabué provocou perto de 400 mortos, segundo balanços provisórios divulgados pelos respetivos governos desde segunda-feira.

O Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, decretou o estado de emergência nacional na terça-feira e disse que 350 mil pessoas “estão em situação de risco”.

A Cruz Vermelha Internacional indicou que pelo menos 400.000 pessoas estão desalojadas na Beira, considerando que se trata da “pior crise” do género em Moçambique.

O ciclone Idai, com fortes chuvas e ventos de até 170 quilómetros por hora, atingiu a Beira (centro de Moçambique) na quinta-feira à noite, deixando os cerca de 500 mil residentes na quarta maior cidade do país sem energia e linhas de comunicação.

Ler mais
Relacionadas

CPLP cria fundo especial para apoiar Moçambique

A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa vai criar um fundo especial para apoiar as vítimas do ciclone Idai em Moçambique, anunciou o presidente em exercício da organização e embaixador de Cabo Verde em Lisboa, Eurico Monteiro.

Auxílio às vítimas do ciclone Idai: Saiba como ajudar Moçambique

O embaixador moçambicano em Portugal, Joaquim Casimiro Simeão Bule, sublinha especificamente a necessidade de “produtos alimentares enlatados, com período de validade prolongado”; “produtos para o tratamento de água, produtos de higiene e limpeza”, assim como “apoio monetário”.
Recomendadas

Acordo sobre mobilidade na CPLP será aprovado em julho em Cabo Verde

A data foi definida na V reunião dos ministros do Interior e da Administração Interna da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), que terminou na cidade da Praia, capital de Cabo Verde, país que atualmente assume a presidência rotativa da instituição.

Cabo Verde Airlines e TAAG assinam acordo para voos Luanda-Sal

A parceria prevê que uma das companhias transporte passageiros da outra. Ou seja, se comprar um bilhete para um voo da Cabo Verde Airlines entre Luanda e Sal irá viajar num avião da transportadora aérea angolana.

CIN promete transformar Cabo Verde num país plataforma no Atlântico

Na tomada de posse dp gabinete de operacionalização deste Centro Internacional de Negócios, vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças cabo-verdiano, Olavo Correia, que considerou ser “obrigação” do governo criar novas oportunidades para os jovens.
Comentários