Cabo Verde vai ajudar Moçambique com 178 mil euros

De acordo com o chefe do governo cabo-verdiano, o apoio irá concretizar-se através de uma verba oriunda do Orçamento do Estado e de empresas que estão a ser contactadas pelo Executivo para esse fim.

Cabo Verde vai ajudar Moçambique com uma verba que poderá atingir os 200 mil dólares (aproximadamente 178 mil euros) e está a analisar a possibilidade de enviar uma equipa para ajudar as populações afetadas pelo ciclone Idai, disse à Lusa o primeiro-ministro cabo-verdiano.

Ulisses Correia e Silva falava no final da cerimónia de lançamento do projeto de Reforço de Educação e de Desenvolvimento de Competências (PREDC) pelo Governo de Cabo Verde, em parceria com o Banco Mundial, que se realizou esta quinta-feira na cidade da Praia.

De acordo com o chefe do governo cabo-verdiano, a ajuda a Moçambique irá concretizar-se através de uma verba oriunda do Orçamento do Estado e de empresas que estão a ser contactadas pelo Executivo para esse fim.

“Através do Orçamento do Estado, dentro das nossas condições, vamos afetar uma verba importante para o apoio à situação de emergência que existe hoje em Moçambique e estamos também a mobilizar recursos junto das empresas para que, de uma forma voluntária e solidária, possam participar”, disse.

E acrescentou: “Pensamos que podemos atingir uma verba na ordem dos 200 mil dólares, com a participação do Governo e das empresas, para darmos uma contribuição de Cabo Verde para uma situação que é gravíssima”.

Além deste montante, o executivo de Cabo Verde está a analisar a possibilidade de enviar uma equipa para o terreno. “Vamos organizar um encontro com diversas entidades, como a Proteção Civil, Forças Armadas, Cruz Vermelha para ver o que se pode disponibilizar em termos de participação no terreno, para darmos também a nossa contribuição”, adiantou.

Ulisses Correia e Silva adiantou que o governo e a Presidência da República têm estado a trabalhar “de uma forma muito sintonizada”, de forma a brevemente Cabo Verde “dar um sinal muito forte” da sua contribuição e solidariedade “para minorar a situação em Moçambique”.

O número de mortos confirmados na sequência do ciclone no centro de Moçambique subiu para 217, segundo dados oficiais divulgados.

Numa conferência de imprensa na Beira, o ministro da Terra e do Planeamento Territorial, Celso Correia, disse que estavam ainda em risco, na quarta-feira, cerca de 15 mil pessoas. O governante adiantou que foram resgatadas cerca de 3.000 pessoas desde quarta-feira.

A passagem do ciclone Idai em Moçambique, Maláui e Zimbabué provocou perto de 400 mortos, segundo balanços provisórios divulgados pelos respetivos governos desde segunda-feira.

O Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, decretou o estado de emergência nacional na terça-feira e disse que 350 mil pessoas “estão em situação de risco”.

A Cruz Vermelha Internacional indicou que pelo menos 400.000 pessoas estão desalojadas na Beira, considerando que se trata da “pior crise” do género em Moçambique.

O ciclone Idai, com fortes chuvas e ventos de até 170 quilómetros por hora, atingiu a Beira (centro de Moçambique) na quinta-feira à noite, deixando os cerca de 500 mil residentes na quarta maior cidade do país sem energia e linhas de comunicação.

Ler mais
Relacionadas

CPLP cria fundo especial para apoiar Moçambique

A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa vai criar um fundo especial para apoiar as vítimas do ciclone Idai em Moçambique, anunciou o presidente em exercício da organização e embaixador de Cabo Verde em Lisboa, Eurico Monteiro.

Auxílio às vítimas do ciclone Idai: Saiba como ajudar Moçambique

O embaixador moçambicano em Portugal, Joaquim Casimiro Simeão Bule, sublinha especificamente a necessidade de “produtos alimentares enlatados, com período de validade prolongado”; “produtos para o tratamento de água, produtos de higiene e limpeza”, assim como “apoio monetário”.
Recomendadas

BICV e Ecobank emprestam 21 milhões de euros à Cabo Verde Airlines

Os representantes dos bancos, BICV e Ecobank, que vão assegurar este financiamento assumiram acreditar no projeto, classificando-o de “estratégico” para Cabo Verde.

Governo de Cabo Verde vai impedir interferência na aprovação do orçamento do banco central

Segundo o ministro das Finanças cabo-verdiano, os órgãos do Banco de Cabo Verde terão “todos os poderes para fazer a gestão da instituição e prestar contas às entidades externas nos termos que a lei dispõe”.

Ulisses Correia: “É preciso investir mais nas posturas municipais e na autonomia das famílias”

O primeiro-ministro de Cabo Verde disse afirma que toda a estratégia de desenvolvimento do país tem “necessariamente” de se basear em horizontes temporais de longo prazo para atingir objetivos com “consistência, perseverança e atitude empreendedora”.
Comentários