Caixa e Bank of China assinam protocolo para emissão de ‘panda bonds’ de Portugal

O Bank of China assinou também “facilidades de crédito dadas à CGD para exportadores portugueses, que necessitem de garantias na China”, de acordo com a informação transmitida pelo presidente do banco público.

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) e o Bank of China vão assinar um protocolo para estruturar e colocar uma emissão de panda bonds de Portugal. A notícia é avançada pela agência Reuters esta quarta-feira, citando declarações do presidente do banco público.

Num encontro entre Xi Jinping e António Costa, Paulo Macedo disse que as duas entidades bancárias têm vindo a trabalhar “na estruturação e emissão de dívida pública portuguesa em renminbis – os panda bonds”.

“Este protocolo vem formalizar todos os esforços e compromissos de desenvolver, estruturar naquilo que é a organização da operação, a sua estruturação e depois colocação”, disse o CEO da CGD. Segundo Paulo Macedo, o acordo ainda não tem uma data definida mas deverá avançar “em breve”.

O Bank of China assinou também “facilidades de crédito dadas à CGD para exportadores portugueses, que necessitem de garantias na China”, de acordo com a informação transmitida pelo presidente da Caixa.

Relacionadas

Emissão de dívida em moeda chinesa avança até junho

Portugal prepara-se para colocar 377 milhões de euros em Obrigações em renminbi para alargar a base de investidores. A data exata irá depender das condições de mercado, do apetite dos investidores e das necessidades de financiamento do país.

OE2019: Juros das ‘panda bonds’ vão ficar isentos de pagar IRS

Governo irá propor ao Parlamento benefícios fiscais para os investidores estrangeiros que comprem dívida pública portuguesa emitida em moeda chinesa. Em julho, Centeno disse que a preparação da primeira colocação destes ativos está em fase final.
Recomendadas

Máximo dos Santos defende papel do BdP na aplicação das medidas de resolução aos bancos pequenos

O Banco de Portugal organizou ontem de manhã, em Lisboa, um evento dedicado ao planeamento de resolução de instituições classificadas de menos significativas e das instituições que não estão abrangidas pelo âmbito do Mecanismo Único de Resolução. Juntou 28 instituições de crédito e empresas de investimento e a APB.

António de Sousa passa avaliação de idoneidade

Ex-presidente da Caixa, atualmente gestor do fundo ECS, passou no exame de idoneidade do supervisor a antigos administradores do banco público que continuam ligados ao setor financeiro.

FMI recomenda que Parlamento dê ouvidos aos supervisores na reforma da supervisão financeira

“Os três supervisores setoriais nacionais levantaram preocupações legítimas em relação ao projeto de lei e que merecem uma ponderação cuidadosa no Parlamento antes que este projeto de lei seja aprovado e convertido em lei”, lê-se no comunicado da equipa técnica do FMI que esteve em visita a Portugal.
Comentários