Campo de golfe de Trump escolhido pela Casa Branca para reunião do G7

A sugestão do local foi dada pelo próprio presidente dos EUA. Alterações climáticas não vão entrar na agenda de discussão do G7 e existe a possibilidade de Trump convidar a Rússia para se juntar à discussão, voltando a ser a reunião dos oito líderes mais poderosos do mundo.

A Casa Branca anunciou na passada quinta-feira, 17 de outubro, que a próxima cimeira do G7 se vai realizar no complexo de golfe National Doral, em Miami, entre os dias 10 e 12 de junho do próximo ano. Este campo de golfe é uma das propriedades do presidente norte-americano Donald Trump.

A notícia foi avançada por Mick Mulvaney, chefe de gabinete do ex-empresário, que garantiu que Donald Trump não vai obter lucro ao hospedar os líderes das maiores potências ocidentais numa das suas propriedades. À BBC, Mulvaney sustentou que a marca Trump é “forte o suficiente” e não precisa de impulso para obter lucros maiores, sendo ainda “o nome mais reconhecido da língua inglesa”.

O ‘New York Post’ avança que a sugestão do local foi dada pelo próprio presidente dos EUA, sendo que após uma análise de diversas localizações, verificou-se que o campo de golfe “foi a localização física perfeita para a reunião”. “É como se tivessem construído estas instalações para sediar este tipo de eventos”.

Mulvaney admitiu na conferência de imprensa que no início estava contra o evento ser numa das propriedades detidas pelo presidente norte-americano, mas após verificarem outros locais garantiu que o National Doral era “dramaticamente mais baratos” que outras localizações.

“Eles adoram a localização do hotel, mas também gostam do facto de ser ao lado do aeroporto, por uma questão de conveniência”, sustentou Trump ainda em Biarritz quando apresentou a sugestão para a reunião de 2020.

No entanto, os democratas já se colocaram contra a realização do evento nas propriedades de Donald Trump, uma vez que a escolha desta localização pode violar as cláusulas de Emolumentos Internacionais e Estrangeiros previstos na Constituição dos EUA. Estas cláusulas impedem que o presidente de lucrar com o seu lugar na presidência do país.

O deputado Jerrold Nadler afirmou que a escolha de National Doral “está entre os exemplos mais descarados da corrupção do presidente. Ele está a explorar o seu escritório e a tomar decisões oficiais do governo dos EUA para seu proveito financeiro pessoal”.

Mulvaney sustentou que o tema das alterações climáticas não vai estar na agenda como tema a discutir, sendo que o tema central do evento será o crescimento global e como os EUA são um exemplo de modelo de prosperidade. Donald Trump pode ainda convidar a Rússia para participar na reunião do G7, existindo a possibilidade que esta volte a ser o G8.

Ler mais
Recomendadas

Muitas vezes ou sempre “justificáveis”. Italianos estão mais à vontade com atos racistas

Com base em 1.500 inquiridos, um estudo concluiu que existe “um relaxamento nas atitudes em relação ao racismo”. Resultados da pesquisa chegam depois de uma série de incidentes racistas e anti-semitas contra a senadora da Republica da Itália.

‘Impeachment’. Trump promete divulgar transcrição de outra chamada com presidente ucraniano

Trump avançou que divulgaria a transcrição esta terça-feira, descrevendo-a para os repórteres como “muito importante”. Ao que tudo indica, esta segunda chamada terá ocorrido depois da primeira que desencadeou o processo de destituição contra o presidente norte-americano.

Pneumonia: Várias regiões portuguesas com as taxas mais elevadas de mortalidade na Europa

Portugal encontra-se em destaque no mapa elaborado pelo Eurostat, com várias regiões portuguesas a registarem as taxas mais elevadas de mortalidade associadas à pneumonia em 2016.
Comentários