Carga fiscal faz com que lucros da REN caiam 5% situando-se nos 86,3 milhões de euros

O EBITDA (resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações) foi de 368 milhões, o que representa uma queda de 2,7% face ao período homólogo, segundo a REN.

A Redes Energéticas Nacionais acumulou um resultado líquido de 86,3 milhões de euros até setembro, menos 5% nos primeiros nove meses deste ano, comparativamente ao período homólogo. Relativamente ao resultado líquido recorrente, a REN totalizou 110,7 milhões de euros, menos 1,6%, informa a nota divulgada pela CMVM, esta sexta-feira.

A carga fiscal foi o que mais impulsionou estes resultados, “que se traduziu numa taxa efetiva de imposto de 39,5%, com a Contribuição Extraordinária para o Setor Elétrico (CESE) a representar 24,4 milhões de euros”, justificou a empresa liderada por Rodrigo Costa em comunicado.

No que toca aos lucros antes de impostos, amortizações e depreciações (EBITDA), estes acumularam 368,0 milhões de euros, menos 2,7%. “Como esperado, a evolução deste indicador decorre da descida das taxas de remuneração, em resultado da redução das taxas de juro das Obrigações de Tesouro e da Base de Ativos Regulada”, explica.

“Os resultados financeiros (-39,4 milhões) contribuíram para uma melhoria dos resultados da empresa, tendo beneficiado da diminuição da dívida líquida (-57,4 milhões) e da contínua redução do custo médio da dívida (2,2% nos 9M19, versus 2,3% nos 9M18)”, lê-se na nota.

Apesar de tudo, este ano a REN pagou menos impostos (0,9%) comparativamente ao ano anterior, ascendendo a 42,0 milhões de euros, o que elevou a taxa efetiva de imposto para 39,5%.

Recomendadas

Café do vulcão cabo-verdiano do Fogo chega ao gigante Starbucks

Uma parceria estabelecida entre empresários holandeses e cabo-verdianos está a levar o café da ilha do Fogo, produzido biologicamente junto ao vulcão, à gigante norte-americana Starbucks, a maior rede de cafés do mundo.

PremiumFintech Pagaqui investe nas criptomoedas

Empresa quer continuar próxima dos pequenos retalhistas e está a criar serviços para que os clientes paguem o café com moedas digitais.

Indígenas protestam junto da sede da Repsol contra petróleo no mar brasileiro

Um grupo de indígenas brasileiros, em conjunto com representantes do movimento de proteção ambiental 350.org, manifestaram-se hoje junto da sede da petrolífera Repsol em Madrid contra o uso de combustíveis fósseis, pedindo um “mar sem petróleo”.
Comentários