Carlos Alberto Matos Moreira é o novo diretor do SEF

Está escolhido o novo dirigente do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras. A notícia surge depois da anterior diretora, Luísa Maia Gonçalves, ter apresentado a sua demissão.

A Ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, nomeou esta segunda-feira o novo diretor do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF). O escolhido pela governante para substituir Luísa Maia Gonçalves é o inspetor coordenador superior da carreira de investigação e fiscalização, Carlos Alberto Matos Moreira, de acordo com o comunicado da tutela, enviado às redações.

Licenciado em Direito, Carlos Alberto Matos Moreira é, desde 2008, Oficial de Ligação do Ministério da Administração Interna junto da União Europeia, na Representação Permanente de Portugal, em Bruxelas. O designado ingressou no SEF em 1991 onde, entre outros cargos, assumiu funções de Diretor Regional do Centro do SEF entre 2003 e 2007, segundo a mesma nota.

O governo anunciou ainda que a direção Nacional da entidade será assumida interinamente pelos atuais diretores nacionais adjuntos Joaquim Pedro Oliveira e António Carlos Patrício.

Na passada quarta-feira, dia 4 de outubro, a diretora do SEF, Luísa Maia Gonçalves, demitiu-se. O gabinete de Constança Urbano de Sousa informou, na altura, que a ministra tinha convocado a ex-dirigente “para uma reunião com o propósito de lhe comunicar a sua intenção de a exonerar, tendo Luísa Maia Gonçalves apresentado a sua demissão”.

Em causa estava um mal-estar crescente entre a ministra e a diretora do SEF, sobretudo depois de a instituição ter dado um parecer negativo ao novo projeto de lei do Bloco de Esquerda para simplificar a Lei dos Estrangeiros, que passou no Parlamento com os votos favoráveis do PS e PCP.

Relacionadas
Ministra da Administração Interna demite diretora do SEF
A decisão de Constança Urbano de Sousa estará relacionada com “incumprimento de objetivos”, segundo o Expresso.
Recomendadas
APSEI esclarece sobre nova norma de segurança no trabalho
A segurança e saúde no local de trabalho são das principais preocupações das organizações e, no entanto, continuam a ocorrer diversos acidentes, que muitas vezes resultam em mortes.
Governo admite “problema” nas novas pensões
“Esses são a nossa prioridade e penso que, até ao final do ano, todos os casos de longa duração serão resolvidos”, explicou o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.
Associações contra a venda da Herdade da Comporta por razões ambientais
A Zero e a Transparência e Integridade descrevem cinco razões que obstam à venda da Herdade na Comporta. Entre vícios legais, decisões inexplicáveis e impactos ambientais, as duas associações apelam que os processos que se venham a desenvolver tenham o mínimo impacto ecológico possível.
Comentários