Carne de porco portuguesa chega à China em dezembro. Negócio deve render 100 milhões de euros por ano

Anúncio surge na sequência dos serviços oficiais chineses terem divulgado, através da sua página na internet, um documento que autoriza os matadouros Maporal, ICM e Montalva a exportar para a China.

Os produtores portugueses começam a exportar carne de porco para a China em dezembro, através de três matadouros nacionais, num negócio que vai movimentar cerca de 100 milhões de euros de exportações no primeiro ano, foi hoje anunciado.

“Vamos dar início, a partir de dezembro, a um negócio que vai movimentar para o setor e para Portugal, no primeiro ano, cerca de 100 milhões de euros de exportações em carne de porco e, no segundo ano, passaremos a 200 milhões”, disse à Lusa o diretor da Federação Portuguesa de Associações de Suinicultores, Nuno Correia.

O anúncio surge na sequência dos serviços oficiais chineses terem divulgado, através da sua página na internet, um documento que autoriza os matadouros Maporal, ICM e Montalva a exportar para a China.

“Criamos aqui alternativas de comércio dos nossos animais fora de Portugal que nos vão permitir crescer de forma sustentada […]. É um negócio que vai dinamizar setor agropecuário em Portugal”, acrescentou.

De acordo com o responsável, o acordo foi celebrado com o ACME Group, estando já a decorrer negociações para alargar o negócio.

“A China é um mercado de grandes volumes, é o maior produtor e importador de porcos. Aquilo que nós fizemos em Portugal foi unir esforços entre as três empresas para poder conseguir satisfazer as necessidades. Uma empresa, por si só, não consegue dar resposta a tudo aquilo que a China precisa”, sublinhou.

Por outro lado, a Agrupalto, da qual Nuno Correia é administrador, comprou o matadouro de Reguengos de Monsaraz (Maporal) que vai passar a trabalhar, em exclusivo, para o mercado chinês.

A aquisição envolveu um investimento inicial de quatro milhões de euros e, posteriormente, vai implicar um reforço de seis milhões de euros, destinado ao aumento de produção.

No total vão ser criados 150 novos postos de trabalho nesta unidade.

Numa fase inicial, só neste matadouro, vão ser abatidos quatro mil animais por semana e, até ao final de 2019, ascenderá a 10.000 animais por semana.

Segundo o diretor da Federação Portuguesa de Associações de Suinicultores, dentro de seis meses, será ainda realizada uma nova vistoria para tentar homologar mais três matadouros em Alcanede, Montijo e Lisboa.

Em 06 de novembro, o ministro da Agricultura, Capoulas Santos, deu como concluído o processo de venda de carne de porco para a China.

“O processo tem vindo a ser negociado e está finalizado. Está apenas dependente de pequenos detalhes de natureza estritamente burocrática, mas foi assumido, com toda a clareza, pelo senhor ministro das Alfândegas [da China] que esse é um processo [dado] como concluído e que nos próximos dias estará totalmente regularizado”, disse, na altura, Capoulas Santos, em declarações à Lusa.

Ler mais
Recomendadas

Jorge Alves foi eleito o melhor enólogo ano em Portugal em 2018

O prémio de Jorge Alves, o enólogo principal da casa desde 2012, atribuído pela revista ‘Vinho Grandes Escolhas’, ficou reforçado pelo destaque aos Mirabilis, dois grandes reservas tinto e branco entre os melhores vinhos do ano.

Dona do Minipreço pode vender lojas fora de Espanha para salvar grupo

O Grupo DÍA, dono das lojas Minipreço e Clarel em Portugal, está a atravessar um período conturbado e que ameaçar a sua sobrevivência. Após ter sido lançada uma OPA, e depois da apresentação de resultados anuais desastrosos, a retalhista estuda todas as vias alternativas para salvar as suas operações. Uma reunião de acionistas está prevista dentro de um mês, onde a administração do grupo espera conseguir um balão de oxigénio. Caso isso não aconteça, as operações fora de Espanha não são imprescindíveis.

Donos da Herdade das Servas investem nos vinhos verdes

Irmãos Serrano Mira adquirem solar erguido em 1540 pelo poeta e humanista Francisco Sá de Miranda.
Comentários