Carney salienta que Banco de Inglaterra pode relançar programa para estimular concessão de crédito

No Fórum do Banco Central Europeu, Mark Carney defendeu ainda a importância de comunicar o ‘guidance’ para “gerir expectativas à medida que as circunstâncias mudam”.

Frank Augstein/Reuters

O Governador do Banco de Inglaterra, Mark Carney, não descartou a hipótese de voltar a emprestar aos bancos a taxas de juro baixa para facilitar a trasmissão da política monetária e estimular a economia caso seja necessário, através do relançamento do Term Funding Scheme (TFS).

“Quando as condições melhoraram o suficiente para garantir um aumento na taxa bancária para 0,5% em novembro de 2017, o TFS não era mais necessário e foi fechado para mais composições adicionais em fevereiro de 2018”, disse Mark Carney, no Policy Panel esta tarde, no Fórum do BCE que decorre até quarta-feira em Sintra.

“O Banco mantém a capacidade de relançar o programa conforme necessário e à luz disso, o MPC [Comité de Política Monetária] julga que o limite inferior efetivo para a taxa bancária está agora próximo, mas um pouco acima de 0%”.

No essencial, o TFS pretendeu reforçar o corte da taxa de juro bancária e foi uma das medidas incluídas no pacote abrangente de medidas de alívio anunciado pelo Comité de Política Monetária do Banco de Inglaterra, em agosto de 2016 e que terminou em fevereiro de 2018. Em troca dos empréstimos a um custo da taxa base e um fee, os bancos tinham de emprestar dinheiro à economia real, de forma a ajudar a transmissão da política monetária.

O TFS tinha por objetivo apoiar o crescimento económico e regressar à meta sustentável de inflação de 2%.  Em agosto de 2016, reforçou o corte da taxa de juro bancárias, permitindo que a redução de 0,5% para 0,25% tivesse o mesmo impacto que os cortes anteriores, quando as taxas estavam mais longe de zero.

Mark Carney sublinhou que, desde 2013, o MPC reconheceu que podem haver circunstâncias nas quais trazer a meta de inflação de volta demasiado rápido pode “provocar volatilidade indesejada nos resultados e no emprego”.

“Em circunstâncias excepcionais, como o Brexit, quando a economia se depara com uma profunda alteração estrutural, o MPC pode estender o horizonte no qual retorn a inflação à meta, vindo de um valor superior, de forma a equilibrar os efeitos [causados pela alteração da economia] no mercado de trabalho e na atividade produtiva”, disse Mark Carney.

O governador acrescentou ainda que, apesar de a política monetária não poder evitar o crescimento de salários reais mais fraco que irá acompanhar a transição para novos acordos comerciais com a União Europeia, pode influenciar de que forma é que pode influenciar a forma como influencia os salários é distribuído entre perdas de postos de trabalho e aumento de preços.

No entanto, deixou claro que “esta flexibilidade não pode ser utilizada de forma ilimitada” e que o Comité confia na economia britânica. “O MPC pode ser paciente”, afirmou.

“A experiência na zona euro e no Reino Unido demonstrou como o guidance pode ser efetivo em gerir expectativas à medida que as circunstâncias mudam”, acrescentou.

O governador do Banco de Inglaterra, que partilhou o painel com o presidente do BCE, Mario Draghi e com Stanley Fischer, antigo vice-presidente do Conselho de governadores da Reserva Federal norte-americana, acrescentou ainda que “as reformas durante a crise deixam para trás um mecanismo de apoio muito mais abrangente à disfunção nos mercados de financiamento. A liquidez está disponível de forma mais aberta, contra uma vasta gama de garantias e em todas as principais moedas”.

Ler mais
Relacionadas

Trump contra Draghi: Mais estímulos do BCE dariam “vantagem injusta” à Europa 

O Presidente norte-americano, Donald Trump, considerou hoje que uma nova descida das taxas de juro do Banco Central Europeu (BCE), hipótese admitida pelo presidente da instituição, daria uma “vantagem injusta” à União Europeia face aos Estados Unidos.

Draghi pronto a lançar novos estímulos adicionais se riscos não atenuarem

Entre os instrumentos que podem ser utilizados pelo BCE, Mario Draghi salientou “a política de mais cortes nas taxas de juro”, assim como” medidas que permitam conter externalidades”.

Com a maior integração das economias europeias, Draghi apela à rápida conclusão da união bancária

O presidente do Banco Central Europeu (BCE) vincou a necessidade da rápida conclusão não apenas da união bancária, mas também da união dos mercados de capitais. Além disso, também defendeu a célere transição “das políticas orçamentais, baseadas num sistema de regras, para um sistema institucional com competência orçamental”.
Recomendadas

Água de icebergs vendida a 80 euros e água com “frequências sonoras de amor” entre as melhores do mundo

Extraídas a 914 metros de profundidade no Havai, de fontes nas ilhas Fiji ou polvilhadas com ouro. São assim algumas das águas engarrafas mais caras do mundo.

Prédios em centros históricos deixam de pagar IMI

Os imóveis nos centros históricos do Porto, Guimarães, Évora, Sintra, Angra do Heroísmo, Óbidos e Elvas passam a estar isentos de IMI.

Portugal emite hoje até 1.500 milhões em dívida a seis e a 12 meses

Portugal vai hoje ao mercado para colocar entre 1.250 e 1.500 milhões de euros em Bilhetes do Tesouro (BT) a seis e a 12 meses.
Comentários