Carros em Portugal são os mais velhos de sempre e superam média da UE

A Associação do Comércio Automóvel de Portugal considera a situação preocupante e aponta o fim dos incentivos ao abate de viaturas e a crise económica com os principais motivos para esta quebra.

Cristina Bernardo

A idade média dos automóveis ligeiros de passageiros em Portugal aumentou para o valor mais elevado de sempre, superando a média europeia. A Associação do Comércio Automóvel de Portugal (ACAP) considera a situação preocupante e aponta o fim dos incentivos ao abate de viaturas e a crise económica com os principais motivos para esta quebra, avança o “Jornal de Negócios”.

Desde 2000, a idade média das viaturas passou de 7,2 anos para 12,6 anos. No entanto, a tendência de envelhecimento em Portugal já vem de trás: em 1995, a idade média dos ligeiros de passageiros cifrava-se em apenas 6,1 anos. O envelhecimento do parque automóvel de Portugal coloca Portugal mais perto dos valores registados nos países de Leste do que da Europa Ocidental.

A idade média dos veículos comerciais é ainda mais avançada: 13,7 anos. Já nos pesados de mercadorias é de 14,7 anos e nos pesados de passageiros ascende a 14,8 anos. A ACAP defende que o regresso dos incentivos ao abate de viaturas para fazer “um choque de renovação no parque automóvel” e trazem benefícios ao nível “quer do impacto no ambiente, com a substituição de veículos mais poluentes por outros mais ‘verdes’, quer em termos de segurança rodoviária”.

Recomendadas

Investigação ao “apagão fiscal” parada há 19 meses

“Intolerável”, diz Ana Gomes numa carta à PGR, alertando que o inquérito a transferências de 10 mil milhões “não avançou absolutamente nada”.

Portugal negoceia com Brasil venda de leite dos Açores

O secretário de Estado da Internacionalização português afirmou hoje à Lusa que está a negociar com o Brasil medidas que permitam a exportação de leite dos Açores para aquele mercado.

Vistos Gold: Investimento chinês cai 41% para 60 milhões de euros no 1.º trimestre

O investimento oriundo da China captado através dos ‘Vistos Gold’ caiu 41% no primeiro trimestre, face a igual período de 2018, para 59,6 milhões de euros, segundo dados estatísticos do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).
Comentários