Carros em Portugal são os mais velhos de sempre e superam média da UE

A Associação do Comércio Automóvel de Portugal considera a situação preocupante e aponta o fim dos incentivos ao abate de viaturas e a crise económica com os principais motivos para esta quebra.

Cristina Bernardo

A idade média dos automóveis ligeiros de passageiros em Portugal aumentou para o valor mais elevado de sempre, superando a média europeia. A Associação do Comércio Automóvel de Portugal (ACAP) considera a situação preocupante e aponta o fim dos incentivos ao abate de viaturas e a crise económica com os principais motivos para esta quebra, avança o “Jornal de Negócios”.

Desde 2000, a idade média das viaturas passou de 7,2 anos para 12,6 anos. No entanto, a tendência de envelhecimento em Portugal já vem de trás: em 1995, a idade média dos ligeiros de passageiros cifrava-se em apenas 6,1 anos. O envelhecimento do parque automóvel de Portugal coloca Portugal mais perto dos valores registados nos países de Leste do que da Europa Ocidental.

A idade média dos veículos comerciais é ainda mais avançada: 13,7 anos. Já nos pesados de mercadorias é de 14,7 anos e nos pesados de passageiros ascende a 14,8 anos. A ACAP defende que o regresso dos incentivos ao abate de viaturas para fazer “um choque de renovação no parque automóvel” e trazem benefícios ao nível “quer do impacto no ambiente, com a substituição de veículos mais poluentes por outros mais ‘verdes’, quer em termos de segurança rodoviária”.

Recomendadas

Ministro afirma que salário mínimo de 600 euros em 2019 “é ponto de partida”

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, falava à saída da reunião da Concertação Social, em Lisboa, onde começou esta tarde a ser discutido o aumento do salário mínimo nacional para 2019. Atualmente é de 580 euros.

Economia terá expandido 2,2% no terceiro trimestre, com procura externa a provocar abrandamento

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulga os números do PIB esta quarta-feira às 11 horas, e a confirmar-se a previsão, será uma ligeira desaceleração face à expansão homóloga de 2,3% no trimestre anterior. Em cadeia, ou seja, face ao segundo trimestre, a estimativa média aponta para os 0,5%.

Fundo para investigar desaparecimento de Madeleine McCann reforçado com mais 167 mil euros

Financiamento será direcionado para os próximos seis meses de investigação, ou seja, até 31 de março do próximo ano. Até hoje, e passados 11 anos do desaparecido de Madeleine McCann, a Operação Grange custou 11,6 milhões de libras (mais de 12 milhões de euros).
Comentários