Movimento lança carta a pedir medidas urgentes pelo direito a morar em Lisboa

Os subscritores da carta sustentam que é “cada vez mais difícil morar em Lisboa”, salientando “a alteração profunda das dinâmicas habitacionais nas áreas metropolitanas do país” a que têm assistido nos últimos anos.

Um grupo de cidadãos e organizações da sociedade tomaram a iniciativa de redigir uma carta aberta ao Governo, deputados, município e restantes cidadãos tendo como assunto a urgência na adoção de “uma política nacional e municipal de habitação que favoreça e dinamize o arrendamento público e privado, com segurança e estabilidade”.

Os subscritores da carta sustentam que é “cada vez mais difícil morar em Lisboa”, salientando a “a alteração profunda das dinâmicas habitacionais nas áreas metropolitanas do país” a que têm assistido nos últimos anos.

A queixa pública aponta a necessidade de uma nova política de habitação e ordenamento do território, fazendo referência aos preços de arrendamento das casas, que registaram um aumento entre 13% e 36% nos últimos anos, e também à subida de 46% dos preços dos imóveis para aquisição.

Para além apelar para a assinatura de uma petição online, os signatários mostram-se preocupados com “o processo de gentrificação, associado e acelerado pelo pico de projeção internacional e por uma grande intensificação do turismo e do alojamento para fins turísticos que Lisboa atravessa”.

Uma nova Lei de Bases da Habitação e uma política fiscal diferenciadora dos vários usos da habitação são também propostas urgentes no pedido.

De entre as organizações participantes conta-se a Associação dos Inquilinos Lisbonenses e a Associação do Património e da População de Alfama.

Ler mais
Recomendadas

PremiumVendas de casas por valores milionários sobem IMI dos vizinhos

Especialista diz que vendas de casas em Lisboa por valores extraordinários não contagiam diretamente a reavaliação dos imóveis, mas têm impacto.

Há riscos latentes mas imobiliário vai continuar em alta

A opinião é consensual sobre o imobiliário comercial em Portugal. Há riscos latentes, como a pressão sobre o retalho tradicional, preços elevados na habitação de luxo e rendas exageradas na habitação em Lisboa e Porto.

Volume de colocação de escritórios vai cair 10% este ano

Apenas Roma e Bruxelas superaram Lisboa no volume de absorção de escritórios ao longo do primeiro semestre do ano, diz a Worx. No entanto, a perspetiva da Savills aponta para uma quebra de 10% na colocação de escritórios em 2019 face a 2018.
Comentários