Movimento lança carta a pedir medidas urgentes pelo direito a morar em Lisboa

Os subscritores da carta sustentam que é “cada vez mais difícil morar em Lisboa”, salientando “a alteração profunda das dinâmicas habitacionais nas áreas metropolitanas do país” a que têm assistido nos últimos anos.

Um grupo de cidadãos e organizações da sociedade tomaram a iniciativa de redigir uma carta aberta ao Governo, deputados, município e restantes cidadãos tendo como assunto a urgência na adoção de “uma política nacional e municipal de habitação que favoreça e dinamize o arrendamento público e privado, com segurança e estabilidade”.

Os subscritores da carta sustentam que é “cada vez mais difícil morar em Lisboa”, salientando a “a alteração profunda das dinâmicas habitacionais nas áreas metropolitanas do país” a que têm assistido nos últimos anos.

A queixa pública aponta a necessidade de uma nova política de habitação e ordenamento do território, fazendo referência aos preços de arrendamento das casas, que registaram um aumento entre 13% e 36% nos últimos anos, e também à subida de 46% dos preços dos imóveis para aquisição.

Para além apelar para a assinatura de uma petição online, os signatários mostram-se preocupados com “o processo de gentrificação, associado e acelerado pelo pico de projeção internacional e por uma grande intensificação do turismo e do alojamento para fins turísticos que Lisboa atravessa”.

Uma nova Lei de Bases da Habitação e uma política fiscal diferenciadora dos vários usos da habitação são também propostas urgentes no pedido.

De entre as organizações participantes conta-se a Associação dos Inquilinos Lisbonenses e a Associação do Património e da População de Alfama.

Ler mais
Recomendadas

Nova geração procura novos conceitos de habitar e trabalhar

Coliving, coworking, cohousing, residências de estudantes, são novos conceitos de habitar e trabalhar que estão a atrair jovens e séniores. São mercados alternativos que atraem investidores a Portugal.

Preço justo das casas é o que alguém está disposto a pagar

José Rui Meneses e Castro, Partner da MAP Engenharia, admite que as obras de reabilitação são muito exigentes e que é mais caro reabilitar no centro das cidades do que realizar construção nova fora.

Portugal é o novo “porto seguro” da Europa?

No Portugal GRI 2019, investidores globais e locais, vão discutir tendências e oportunidades no mercado imobiliário português.
Comentários