Casa Branca não exclui novo ‘shutdown’ da administração federal

O chefe do gabinete interino da Casa Branca, Mick Mulvaney, não excluiu hoje um novo encerramento da administração federal (‘shutdown’) a partir de 15 de fevereiro, data limite para a obtenção de um acordo sobre financiamentos no Congresso.

A próxima sexta-feira foi apontada como data limite para que um comité bipartidário do Congresso dos EUA garanta um acordo sobre os fundos para o Departamento de Segurança Nacional.  “Um encerramento da administração ainda está tecnicamente sobre a mesa”, advertiu Mulvaney em declarações ao programa ”Fox News Sunday”, e ao garantir que o Presidente Donald Trump não assinará um acordo que considere “inaceitável”.

“Digamos que a ala esquerda do Partido Democrata está a prevalecer nesta negociação e propõe um projeto de lei com, digamos, zero dinheiro para o muro, 800 milhões, um número absolutamente baixo. Como vai Trump assinar isso? Não pode assiná-lo”, acrescentou.

O último encerramento parcial do Governo, que se iniciou em 22 de dezembro, deixou paralisada um quarto da administração pública durante 35 dias e após Trump ter solicitado mais fundos para o prosseguimento da construção do muro na fronteira com o México.

Por fim, Trump cedeu à pressão popular e assinou um decreto que para atribuir fundos à administração federal até 15 de fevereiro, sem dinheiro para o muro, permitindo a sua reabertura após o encerramento mais longo da história dos Estados Unidos.

Durante estas três semanas, um comité bipartidário da Câmara dos representantes e do Senado negoceia uma solução para que não se repita de novo o encerramento dos serviços públicos.

Republicanos e Democratas do Congresso estão em desacordo com o pedido de Trump para a concessão de 5.700 milhões de dólares (5,03 mil milhões de euros) de fundos para o muro na fronteira entre os EUA e o México.
No entanto, a presidente da Câmara dos representantes, Nancy Pelosi, do partido Democrata, assegurou na quinta-feira que confia num acordo entre a Casa Branca e o Congresso para que seja evitado outro ‘shutdown’ antes da data limite.

A oposição democrata, que se tinha oposto frontalmente ao financiamento do muro fronteiriço, definiu o acordo para reabrir a administração em 25 de janeiro como uma vitória.

Por sua vez, o líder da maioria Republicana no Senado, Mitch McConnell, mostrou-se satisfeito que Democratas e Trump tenham alcançado um acordo, após vários republicanos terem defendido a reabertura da administração federal.

O encerramento afetou 800.000 dos 2,1 milhões de funcionários federais, que não receberam salário durante o ‘shutdown’, mas que foram pagos após a reabertura.

Ler mais
Recomendadas

PremiumFuturo de Espanha decide-se a partir de Estremera

Hegemonia da ERC na Catalunha pode levar a maioria absoluta de esquerda liderada pelo PSOE de Pedro Sánchez, juntando também o Unidos Podemos.

Joana e Mariana Mortágua: “Leva o Bolsonaro para ao pé do Salazar”

“Ó meu rico Santo António, ó meu santo popular, leva lá o Bolsonaro, leva lá o Bolsonaro para ao pé do Salazar”. É assim a letra da música, que envolve o presidente do Brasil, cantada pelas deputadas do Bloco de Esquerda durante uma marcha do 25 de abril. A música foi cantada na presença de Catarina Martins, de Marisa Matias e de um deputado francês. O ditador António de Oliveira Salazar morreu em 1970.

Barclays passa de lucros a prejuízos e admite mais cortes de custos

Ainda segundo os resultados hoje conhecidos as receitas caíram 2% para 5,25 mil milhões de euros de libras (6,1 mil milhões de euros à taxa de câmbio atual), o que levou o banco a admitir que terá de reforçar o cortar custos se a queda de receitas persistirem no resto do ano.
Comentários