Casas climatizadas a custo (quase) zero? Sim, mas é preciso 1 milhão para arrancar

Empresa prevê que, dentro de cinco anos, esta solução esteja a ser comercializada em vários mercados e em quantidades na ordem de 45 mil unidades/ano, gerando resultados de cerca de três milhões de euros anuais.

Ivan Alvarado/Reuters

Acaba de arrancar uma campanha de crowdfunding em busca de financiamento coletivo para um produto português: o “Senergy Force”, que se assume como “a solução mais revolucionária do mundo da climatização e energia”, desenvolvido e patenteado pela empresa portuguesa T&T, com o apoio do departamento de mecânica da Universidade de Aveiro.

A empresa gerida por Augusto Teixeira, mentor desta tecnologia, prevê que, dentro de cinco anos, esta solução esteja a ser comercializada em vários mercados e em quantidades na ordem de 45 mil unidades/ano, gerando resultados de cerca de três milhões de euros anuais. Aliás, a empresa procura, neste momento, parceiros em todo o mundo que queiram representar esta tecnologia. A comercialização dos módulos Senergy Force arranca já em 2018, sendo que esta solução já foi devidamente testada e validada na sede da própria companhia, em Campia, Vouzela.

Casas climatizadas a custo próximo de zero

Aquilo que a T&T propõe é um sistema de climatização que pode ser parte integrante de um edifício, substituindo fachadas, paredes ou telhados, com um rendimento de 90% e ganhos superiores a 20% comparativamente aos sistemas tradicionais. As fachadas energéticas reduzem a necessidade de recurso a energias não renováveis, através do aumento da área de captação solar e da eficiente gestão da temperatura interior dos edifícios. Além disso, asseguram a boa qualidade do ar interior dos edifícios, obtendo simultaneamente ganhos ao nível da climatização, uma vez que faz a renovação do ar no período do dia em que a temperatura exterior for mais favorável. Possibilita ainda o fluxo de ar quente para utilização de secador de mãos, seca-roupas e saunas.

Trata-se de uma solução energética economicamente sustentável que altera por completo o panorama da construção, permitindo que os edifícios tenham um balanço energético quase nulo, ou seja, que a energia consumida e a energia captada pelos edifícios sejam equivalentes. Além disso, permite que a temperatura dos edifícios se situe entre os 20 e os 26ºC durante todo o ano. Ou seja, haverá maior conforto com reduções de consumo na ordem de 90%. Estima-se que, só na Europa, o sistema Senergy Force tenha potencial para uma redução energética de 1300GW e 700.000 toneladas de dióxido de carbono, o equivalente ao compromisso estabelecido no Tratado de Quioto.

Crowdfunding:unidade de produção é a principal meta

Quanto à campanha de crowdfunding estará ativa na plataforma Kickstarter até 2 de março e visa promover mundialmente esta solução tecnológica e angariar um milhão de euros para alavancar o arranque do negócio, em particular a abertura de uma unidade de produção já em 2018.

Além da componente financeira, a T&T considera que o recurso ao financiamento coletivo e consequente envolvimento da sociedade torna o projeto mais sustentável. Os interessados neste projeto têm duas possibilidades de colaboração: podem investir através da plataforma de crowdfunding ou fazê-lo como investidores – dirigindo-se para tal diretamente à empresa –, opção na qual os juros podem ir até aos 20%/ano. Os lucros obtidos serão repartidos por todos os que se associem, como investidores, apoiando esta mudança. A T&T fará um contrato com cada investidor em que dá como garantia o seu património avaliado em 2,5 milhões de euros.

Ler mais
Recomendadas

Como manter a casa fresca com este calor abrasador?

Na rua, opte por vestir roupas leves e frescas, evite esforço físico e hidrate-se bem. Em casa, feche portas e janelas, corra os estores, persianas ou use toldos durante os períodos de maior calor.

Madrid vai parecer Marraquexe e Londres vai ter o clima de Barcelona. Como vamos viver em 2050?

As zonas temperadas ou frias do hemisfério norte vão ter temperaturas de cidades mais próximas do equador, sendo que estas mudanças climáticas vão apresentar efeitos prejudiciais à saúde e às infraestruturas.

Sede da UNESCO vai ter uma horta portuguesa

Ainda não há uma data definida para a implantação do projeto, mas estima-se que até ao final de 2019 a grande horta urbana, com assinatura portuguesa, da sede da UNESCO esteja já em fase de cultura.
Comentários