Catalunha: Secretário de Estado belga diz que Puigdemont pode pedir asilo à Bélgica

Theo Francken, do partido independentista flamenco N-Va, oferece saída a Puigdemont mas diz que não lança o tapete de “boas-vindas”.

Ler mais

O secretário de Estado para as Migrações e Asilo, Theo Francken, do partido independentista flamenco N-Va, declarou hoje que o presidente destituído do governo catalão, Carles Puigdemont, tem a opção de solicitar “asilo político” na Bélgica.

“O presidente catalão Puigdemont pode solicitar asilo político” na Bélgica, afirmou Francken através da sua conta no Twitter.

A cadeia de televisão pública flamenca VRT News referiu que o secretário de Estado já havia indicado anteriormente que a Bélgica poderia ser uma saída para Puigdemont se corresse o risco de ser preso.

O secretário de Estado também enfatizou que é possível, como membro da União Europeia, Puigdemont pedir asilo na Bélgica, mas que o seu país não busca este cenário, dizendo ainda que não iria lançar o tapete de “boas-vindas”.

Francken acrescentou que, se tal pedido de asilo fosse solicitado, “entraríamos numa situação diplomática difícil com as autoridades espanholas. Isto é evidente”.

Não há indicações de que Carles Puigdemont tenha feito qualquer pedido neste sentido à Bélgica.

O parlamento regional aprovou na última sexta-feira a independência da região, numa votação sem a presença da oposição, que abandonou a assembleia regional e deixou bandeiras espanholas nos lugares que ocupavam.

Ao mesmo tempo, em Madrid, o Senado espanhol deu autorização ao Governo central para aplicar o artigo 155º. da Constituição para restituir a legalidade na região autónoma.

O executivo de Mariano Rajoy, do Partido Popular (direita), apoiado pelo maior partido da oposição, os socialistas do PSOE, anunciou ao fim do dia a dissolução do parlamento regional, a realização de eleições em 21 de dezembro próximo e a destituição de todo o Governo catalão, entre outras medidas.

Em resposta, no sábado, o presidente do governo regional destituído, Carles Puigdemont, disse não aceitar o seu afastamento e pediu aos catalães para fazerem uma “oposição democrática”, numa declaração oficial gravada previamente e transmitida em direto pelas televisões.

Recomendadas

Não acordo no Brexit terá um impacto “relativamente pequeno” no mercado de trabalho alemão

Cerca de 41.000 britânicos estavam empregados na Alemanha em dezembro de 2017, um número que é “insignificante para o mercado de trabalho em geral”, revelou o governo de Angela Merkel ao “Der Spiegel”, em resposta ao partido de extrema-esquerda.

China diz que os EUA “não têm o direito” de interferir na cooperação militar da Rússia

A decisão da China de comprar caças e sistemas de mísseis da Rússia é um “ato normal de cooperação entre países soberanos e os Estados Unidos não tem o direito de interferir”, afirmou o porta-voz do ministério da Defesa, Wu Qian.

China cancela negociações comerciais e não vai deslocar-se até Washington

Pequim tinha preparado uma delegação para se deslocar à capital dos EUA na próxima semana, revelaram fontes próximas à “Bloomberg. O “Wall Street Journal” também já havia dado conta que a China tinha posto de lado a ideia de enviar o vice-primeiro-ministro Liu He, integrado na delegação.
Comentários