Catarina Martins diz que ameaças a deputadas é “caso de polícia” que “envergonha políticos que tentam normalizar criminosos”

A coordenadora nacional do BE, Catarina Martins, considera que não são necessárias alterações à lei para criminalizar atos racistas e salienta que, na política, não deve haver “políticos complacentes” com este tipo de crimes.

catarina_martins_oe_2020
António Cotrim/Lusa

O Bloco de Esquerda (BE) referiu esta sexta-feira que as ameaças dirigidas a deputadas da Assembleia da República (duas delas do BE) é um “caso de polícia” que “envergonha” os políticos que “tentam normalizar criminosos”. A coordenadora nacional do BE, Catarina Martins, considera que não são necessárias alterações à lei para criminalizar atos racistas e salienta que, na política, não deve haver “políticos complacentes” com este tipo de crimes.

“Tenho reparado nos últimos tempos que houve responsáveis políticos que acharam que podiam ser complacentes com o crime ou normalizar o crime. Não é o caso do BE. Quem ameaça e atenta contra os direitos humanos é criminoso. Este é um caso de polícia que só envergonha as pessoas que, na política, tentaram normalizar criminosos”, disse Catarina Martins, em conferência de imprensa, no Porto.

As declarações surgem depois de o Ministério Público ter aberto um inquérito às ameaças dirigidas às duas deputadas do BE Mariana Mortágua e Beatriz Gomes Dias e à deputada não inscrita Joacine Katar Moreira (ex-Livre), bem como a sete ativistas da associação SOS Racismo.

As ameaças foram enviadas por email à SOS Racismo, pela denominada “Nova Ordem de Avis – Resistência Nacional”, com ameaças dirigidas às três deputadas, a Mamadou Ba, dirigente da SOS Racismo, e outros seis ativistas. No email, estas deputadas e ativistas são incentivados a abandonar as suas funções políticas e associativas e a deixar o país em 48 horas, sob pena de serem tomadas medidas “contra estes dirigentes e os seus familiares”.

A líder bloquista afirmou que a situação sem comprovar que existe racismo em Portugal, ao contrário do que têm vindo a defender vários líderes políticos, e que há problemas estruturais que “devem ser resolvidos e que o BE se tem empenhado em resolver, nomeadamente questões de desigualdade (várias) que precisam de políticas estruturais que permitam que toda a gente em Portugal seja tratada em condições de igualdade”.

Catarina Martins lamentou que existam “políticos complacentes” com este tipo de atos ou que procuram normalizar este tipo de práticas e apontou o dedo àqueles que “acham que podem dialogar com forças que apelam ao ódio ou à violência e que utilizam a intimidação com arma política”.

Numa referência ao líder do Partido Social Democrata (PSD), Rui Rio, que veio dizer em entrevista à “TVI” que “não existe racismo na sociedade portuguesa” e que veio abrir a porta a um eventual acordo com o Chega, que se tem vindo a promover manifestação a dizer que “Portugal não é racista”, Catarina Martins acredita que “haverá agora no PSD quem se arrependa do que tem vindo a dizer e a normalizar até agora”.

“Creio que [Rui Rio] não tinha a perceção do que estava a dizer quando fez outras afirmações no passado. Não estou em crer que o doutor Rui Rio queira ser complacente com o crime em Portugal”, disse.

A coordenadora do BE referiu ainda que a “lei portuguesa é clara” e que “não é necessária nenhuma alteração à lei para quem apela ao ódio, à violência ou faz intimidação”. “Não há nenhuma falha na lei em Portugal para que quem apela à violência ou faz intimidação ou ameaças seja tratado como o criminoso que é”, salientou, mostrando-se confiante de que as autoridades se encarregaram de proteger as deputadas e ativistas ameaçados.

“Temos a maior confiança na PJ de que fará o seu trabalho e de que as forças de segurança em Portugal vão, naturalmente, proteger as deputadas e todas as pessoas que são ameaçadas e seguramente a melhor forma de as proteger é deter quem faz ameaças. Quem é criminoso é tratado como tal”, concluiu.

Ler mais
Relacionadas

PS considera “absolutamente intoleráveis” ameaças racistas dirigidas a deputadas e ativistas

Os socialistas defendem que estas tentativas de intimidação devem ser “rapidamente investigadas” pelas autoridades competentes e que devem ser “aplicadas com determinação” as leis existentes, que já implicam uma investigação de natureza criminal para atos de racismo e a xenofobia.

CDS-PP defende que “grupelhos de extrema-direita” devem ser “reprimidos e censurados”

O presidente do partido, Francisco Rodrigues dos Santos, espera que quem “covardemente” dirigiu as ameaças contra as três deputadas da Assembleia da República seja “rapidamente” apanhado e levado à justiça e contesta que alguns partidos insistam em “normalizar discursos bárbaros”.

Ministério Público abre inquérito às ameaças às deputadas e ativistas e à concentração de grupo de extrema-direita

Concentração de extrema-direita e ameaças via e-mail a três deputadas e sete ativistas motivaram abertura de inquérito por parte do Ministério Público.
Recomendadas

“União Europeia é exemplo de resposta positiva à pandemia”, defende Augusto Santos Silva

Participando na 4ª Conferência de Lisboa, o ministro dos Negócios Estrangeiros disse que as organizações mundiais da saúde e do comércio carecem de uma reforma profunda, sob pena de perderem eficácia.

Ex-ministro da saúde de Bolsonaro critica “frieza excessiva” do presidente na gestão da pandemia

O primeiro dos três ministros que Jair Bolsonaro já apontou para a pasta da saúde lançou um livro no qual aborda a gestão brasileira da pandemia, deixando fortes críticas à atuação do presidente.

OE 2021: Aumento de 20 euros do salário mínimo em cima da mesa

Proposta do executivo de António Costa para o aumento do salário mínimo poderá ser de menos 15 euros do que foi no ano passado, uma medida que não agrada ao Bloco de Esquerda que pede um crescimento de 35 euros, nem ao PCP que sugere uma subida de 215 euros.
Comentários