Catarina Martins propõe Marisa Matias como cabeça de lista às europeias

A coordenadora do BE, Catarina Martins, anunciou hoje, na XI Convenção Nacional, que vai propor a atual eurodeputada do partido, Marisa Matias, como cabeça de listas às eleições europeias do próximo ano.

“A proposta que farei à próxima Mesa Nacional, se assim for o sentido da decisão desta Convenção, é esta: que seja a Marisa Matias a nossa primeira voz nas eleições europeias de maio de 2019”, anunciou Catarina Martins na sua intervenção na abertura da XI Convenção Nacional do BE, que decorre até domingo em Lisboa, perante uma longa ovação, de pé, dos delegados.

Responder “à altura das responsabilidades que o Bloco tem hoje”, na opinião da líder bloquista, “não exige menos” do que “ter a melhor candidata no Parlamento Europeu”, sendo Marisa Matias não só “a melhor candidata que o Bloco pode ter, mas a melhor candidata que o país pode ter”.

As eleições europeias de 2019 estão marcadas, em Portugal, para dia 26 de maio do próximo ano.

Relacionadas

Marisa Matias: “O BE quer ter mais poder de intervenção no futuro do país”

Marisa Matias acredita que só uma governação à esquerda pode dar resposta aos problemas sociais e laborais que abalam o país e não descarta alianças com quem estiver disponível para avançar com políticas de esquerda para o país.

BE reúne-se na XI Convenção Nacional com legislativas de 2019 em vista

Na moção A “Um Bloco mais forte para mudar o país”, que acolheu o maior número de votos na eleição prévia de delegados, os bloquistas afirmam que querem ser “força do Governo” e prometem fazer “tudo aquilo que o Partido Socialista (PS) não fez”.
Recomendadas

Filho de Donald Trump: Theresa May tem de “honrar a sua promessa” de avançar com o Brexit

Donald Trump Jr., filho mais velho do presidente dos Estados Unidos, refere ainda que os ‘interesses instalados’ estão a tentar ‘silenciar as vozes’ daqueles votaram no Brexit, e que elegeram o seu pai para a Casa Branca.

Parlamento discute fim da fixação de preços no setor do táxi

Os sociais-democratas consideram que esta prática restringe a concorrência e impede a “normal resposta da oferta a diferentes condições da procura, em detrimento da eficiência económica”.

Resolução do BES está a ser feita às prestações, diz presidente do Fundo de Resolução

“O que aconteceu em Portugal, é que o Fundo de Resolução foi criado em 2012, e em 2014, tinha apenas 337 milhões de euros”, salientou Máximo dos Santos. O Fundo de Resolução já pagou 466 milhões de euros em juros e comissões ao Estado, com as medidas de resolução, explicou Máximo dos Santos.
Comentários