CDS discute hoje critérios para listas de deputados

O CDS-PP arranca hoje o processo de escolha de candidatos às legislativas, numa altura em que grupos e tendências internas reclamam, com mais ou menos vigor, lugares elegíveis de deputados.

Este debate é lançado por Assunção Cristas, a líder do partido, num conselho nacional do CDS, a cerca de nove meses das eleições legislativas, já agendadas para 06 de outubro.

A direção nacional não divulgou ainda os critérios, o que só deverá fazer hoje, dia em que Cristas reúne, de manhã, a comissão política nacional, ficando a tarde reservada, em Oliveira de Frades, Viseu, para a reunião do conselho nacional.

As poucas declarações conhecidas de Assunção Cristas nesta questão foram, há semanas, numa entrevista a um jornal da Universidade Católica de Braga, ao defender que os candidatos devem ter “dimensão nacional” e “qualidade” para acompanharem os temas na Assembleia da República.

Raul Almeida, ex-deputado e que representa a lista alternativa liderada por Filipe Lobo d’Ávila no conselho nacional, afirmou à Lusa que este grupo “não exige lugares” nas listas nem quer negociar diretamente com a líder, mas admitiu que a bancada reflita “a diversidade no congresso”.

Já Abel Matos Santos, da Tendência Esperança em Movimento (TEM), uma corrente interna do partido, defendeu, também à Lusa, que as escolhas devem ser feitas “de baixo para cima” e as “distritais devem ter a palavra primordial, obviamente concertada” com a comissão política nacional e Assunção Cristas.

Para este dirigente, que tem assento na comissão política de Cristas, deve ser tida em conta a representatividade das três listas a votos no congresso de março de 2018 (cerca de 30%).

Tanto Raul Almeida como Matos Santos desaconselham Cristas a impor decisões, sem ter em conta a opinião das estruturas distritais.

A Juventude Popular tem uma posição há muito conhecida de voltar a ter representação no grupo parlamentar do partido, que deixou de ter em 2015.

Nas legislativas de outubro de 2015, o CDS o concorreu em coligação com o PSD, tendo os dois partidos obtido 36,8% dos votos. Os centristas elegeram 18 deputados.

Ler mais
Recomendadas

Brexit: saída sem acordo é praticamente inevitável

Saída de Theresa May da chefia do governo britânico e da frente de negociações do Brexit mudará alguma coisa? Aparentemente não, até porque o seu sucessor só pode ser da linha dura dos conservadores. E Bruxelas já não quer saber do assunto para nada.

Fórum do BCE de ‘despedida’ de Draghi esta segunda-feira em Sintra

O último Fórum do Banco Central Europeu (BCE) com Mario Draghi na liderança começa na segunda-feira, em Sintra, e decorre até quarta-feira, sob o mote dos 20 anos da zona euro.

Catarina Martins quer que PS aprove “valorização salarial”

Catarina Martins salientou que “os salários em Portugal são baixos demais no setor público como no setor privado”, observando que o crescimento da economia “não é acompanhado por um crescimento proporcional dos salários”, o que provoca “desigualdades crescentes de rendimentos”.
Comentários