CDS diz que Governo não está a cumprir a palavra sobre imposto sobre combustíveis

O CDS-PP acusou hoje o Governo de não cumprir a palavra ao revogar a descida do Imposto sobre os Produtos Petrolíferos. Centristas dizem que o imposto vai aumentar.

O CDS-PP acusou hoje o Governo de não cumprir a palavra ao revogar a descida do Imposto sobre os Produtos Petrolíferos (ISP), anunciando para esta semana uma iniciativa legislativa para “acabar com este aumento” do imposto.

“O que o CDS quer é obrigar o Governo a cumprir a sua palavra, obrigar os partidos à esquerda a cumprirem a sua palavra e, por isso mesmo, esta semana mesmo iremos apresentar no parlamento uma iniciativa legislativa para acabar com este aumento de ISP e nesse sentido permitir que as famílias tenham um pouco mais de rendimento, que as empresas possam ter um pouco mais de disponibilidade”, anunciou o deputado do CDS-PP Pedro Mota Soares, em declarações à agência Lusa.

O centrista quer que “o Governo, o PS, o PCP, o BE possam honrar a palavra que deram aos portugueses dizendo que baixariam o ISP a partir do momento em que aumentassem os impostos”.

“O Governo anunciou hoje que revogava a descida do ISP. Todas as semanas o gasóleo e a gasolina estão mais caros e o Governo devia descer o ISP para compensar as famílias, para garantir essa mesma neutralidade e a verdade é que o Governo não está a cumprir a palavra que deu”, criticou.

Apesar de saber que o “ISP é uma fonte muito importante de receita para o Governo”, Pedro Mota Soares considera que “o problema é que neste momento o executivo está a ir mais longe do que o que prometeu”.

“A austeridade não acabou, apenas mudou de sítio, apenas mudou de imposto”, condenou.

O deputado centrista recordou que “em fevereiro de 2016, perante um preço do petróleo que era historicamente muito baixo, mas também era transitoriamente muito baixo, o Governo decidiu aumentar em seis cêntimos o ISP”.

“Nós percebemos que o Governo, quando anunciou esta medida, disse sempre que era com neutralidade fiscal, isto é, quando começasse a subir o preço do petróleo, que o Governo reverteria este aumento de impostos e que começava a descer o valor do ISP”, lembrou.

Pedro Mota Soares refere que “no último ano os combustíveis subiram muito” e, por isso, percebe-se “que quando o Governo anunciou que iria baixar o nível dos impostos perante o aumento do petróleo, neste momento deixou de o cumprir”.

O Governo vai deixar este ano de fazer a reavaliação trimestral do Imposto sobre os Produtos Petrolíferos (ISP), ao contrário do que aconteceu em 2016.

Uma nota do gabinete do Ministério das Finanças enviada à Lusa indica que, para o exercício de 2017, não estão previstas “alterações adicionais à tributação dos combustíveis”.

A mesma nota refere que o Orçamento do Estado para 2017 previa “uma descida na tributação sobre a gasolina com contrapartida numa subida de igual montante da tributação do gasóleo” e que foi introduzida “uma moratória na incorporação de biocombustíveis no gasóleo e gasolina, evitando a subida dos seus preços base”.

Ler mais

Relacionadas

Governo acaba com reavaliação trimestral do imposto sobre combustíveis

A revisão trimestral do Imposto sobre Produtos Petrolíferos (ISP) não se aplica este ano. Não se prevêem alterações adicionais à tributação dos combustíveis em 2017.
Recomendadas

INE: Volume de negócios na Indústria caiu 2% em fevereiro

O emprego e as horas trabalhadas apresentaram diminuições homólogas de 0,6% e 0,9% respetivamente, comparativamente com as reduções de 0,7% e 1,5% em janeiro, respetivamente. Já as remunerações aumentaram 3,4% em fevereiro.

Schäuble: “Este é um desafio muito maior para a Alemanha e para a Europa” do que a crise das dívidas soberanas

O antigo ministro alemão que esteve no poder durante a crise financeira disse que a União Europeia tem que trabalhar com os instrumentos existentes, ao invés de discutir sobre “novos argumentos e instrumentos” para os quais seria necessário adaptar os Tratados Europeus.

Sindicatos de professores contra regresso às aulas presenciais em maio e defendem adiamento de exames

Os sindicatos consideram que ainda não existem condições para as aulas serem retomadas devido à epidemia da Covid-19. Já a realização de exames, suscita “muitas questões” ao sindicato porque só poderiam ocorrer se tivesse tido lugar um “ano letivo normal, o que de todo não ocorreu”.
Comentários