CDS escolhe candidatos em Lisboa e Porto para as legislativas

A liderança do CDS-PP vai escolher os cabeças de lista aos 18 distritos nas legislativas de outubro e mais quatro candidatos em Lisboa e dois no Porto, segundo os critérios propostos pela direção. A comissão executiva, liderada por Assunção Cristas, quer também indicar mais quatro candidatos na lista de Lisboa e mais dois na do […]

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas (2D), acompanhada por Adolfo Mesquita Nunes (D), Nuno Melo (2E) e por Telmo Correia (E) durante os trabalhos do 27.º Congresso Nacional do CDS-PP, em Lamego, 10 de março de 2018. NUNO ANDRÉ FERREIRA/LUSA

A liderança do CDS-PP vai escolher os cabeças de lista aos 18 distritos nas legislativas de outubro e mais quatro candidatos em Lisboa e dois no Porto, segundo os critérios propostos pela direção.

A comissão executiva, liderada por Assunção Cristas, quer também indicar mais quatro candidatos na lista de Lisboa e mais dois na do Porto, “ouvidas as respetivas distritais”, de acordo com um documento da direção, a que a Lusa teve acesso, distribuído na reunião do conselho nacional centrista, a decorrer hoje à tarde em Oliveira de Frades, Viseu.

Nos Açores e na Madeira, os cabeças de lista são escolhidos pelos órgãos regionais, “no respeito pelas autonomias regionais”, lê-se ainda no documento, uma folha A4, com o título “constituição das listas de deputados às eleições legislativas de 2019”.

Caberá também à comissão executiva a escolha de “um lugar nacional” para a Juventude Popular, que neste momento não tem representação no grupo parlamentar.

De A a H são explicados os critérios, a começar pelo “mérito, idoneidade e competências políticas”, dá ainda atenção à “diversidade e equilíbrio”, na idade, para ter uma bancada mais jovem, mas também no género, garantindo-se que “a lista final deve ser equilibrada”.

A direção de Assunção Cristas quer ainda que seja tida em conta a experiência parlamentar e profissionais, os percursos partidários e abre também a porta a independentes.

Na letra D surge a regra quanto aos autarcas, estabelecendo que é impossível acumular o cargo de deputado e vereador com pelouros.

E se o autarca quiser ficar no parlamento, “deve haver renuncia ao cargo de vereador, de forma a que outro elemento do partido possa assumir plenamente essas funções”.

A reunião do conselho nacional, hoje, em Oliveira de Frades, é dedicada à análise da situação política e aos critérios para a escolha de candidatos a deputados.

Nas legislativas de outubro de 2015, o CDS o concorreu em coligação com o PSD, tendo os dois partidos obtido 36,8% dos votos. Os centristas elegeram 18 deputados.

Ler mais
Recomendadas

Bloco de Esquerda avança com projeto de regulação das relações laborais na advocacia

Projeto de lei entregue hoje na Assembleia da República visa garantir que “as relações laborais no âmbito da advocacia são desenvolvidas dentro da legalidade, através de um contrato de trabalho reduzido a escrito, aplicando-se o Código do Trabalho ao início, ao conteúdo e à cessação dessas relações laborais”.

CDS quer ouvir Pedro Nuno Santos no Parlamento sobre prejuízos da TAP

Centristas põem em causa as decisões de Pedro Marques, anterior responsável pela tutela da transportadora aérea e atual cabeça de lista do PS às eleições europeias.

Movimento CDSXXI considera que saída de Mesquita Nunes fragiliza CDS

A corrente de opinião interna aplaude a decisão de Adolfo Mesquita Nunes para “não acumular funções que possam gerar conflitos de interesses”, mas defende que a sua saída vai levar à “inevitável a viragem de um novo ciclo no CDS-PP”.
Comentários