CDS-PP considera que veto presidencial é “compreensível, esperado e até inevitável”

O líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães, defende que os restantes grupos parlamentares devem “juntar-se ao CDS-PP” e votar contra as alterações à lei de financiamento dos partidos políticos que considera serem “injustificáveis e imorais”.

O líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães, afirmou hoje que o veto do Presidente da República às alterações à lei do financiamento dos partidos políticos e das campanhas eleitorais é “compreensível, esperado e até inevitável”.

“Congratulamo-nos com este veto, que consideramos compreensível, esperado e até inevitável, face à reação da opinião pública, e bem. A presidente do CDS-PP deu uma conferência de imprensa e apelou para que acontecesse”, declarou Magalhães, citado pela agência Lusa.

Magalhães defendeu que, na medida em que o Presidente da República vai devolver o decreto à Assembleia da República, os restantes grupos parlamentares devem “juntar-se ao CDS-PP” e votar contra estas alterações que considerou serem “injustificáveis e imorais”.

“Iríamos apresentar um projeto no sentido de revogar estas duas normas, as que tornam excecionais as regras do IVA para os partidos e que eliminam o teto de financiamento. O projeto está pronto, mas esperamos que haja bom senso dos grupos parlamentares e que rejeitem esta lei, dando cumprimento ao veto do Presidente da República”, salientou.

“O que resultou deste grupo de trabalho foram um conjunto de alterações procedimentais, sem alterar as regras de financiamento dos partidos, suscitas pelo Tribunal Constitucional, e quanto a isso todos estaremos de acordo. O caminho imediato é dar cumprimento ao veto e eliminar as duas normas, que foram o fundamento do voto contra do CDS, a questão do IVA e da eliminação do teto máximo”, acrescentou o líder parlamentar do CDS-PP.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vetou hoje as alterações à lei do financiamento dos partidos políticos. De acordo com uma nota publicada hoje à noite na página da Presidência da República, Marcelo Rebelo de Sousa “decidiu devolver, sem promulgação, o decreto da Assembleia da República n.º 177/XIII, respeitante ao financiamento partidário, com base na ausência de fundamentação publicamente escrutinável quanto à mudança introduzida no modo de financiamento dos partidos políticos”.

Ler mais
Relacionadas

Marcelo veta nova lei do financiamento dos partidos

Numa nota divulgada no site da presidência, Marcelo Rebelo de Sousa revela que o veto tem como base “a ausência de fundamentação publicamente escrutinável quanto à mudança introduzida no modo de financiamento dos partidos políticos”,

“Amplo consenso” deu origem às alterações ao financiamento dos partidos, sublinha Costa

O primeiro-ministro defendeu hoje que as alterações à lei de financiamento dos partidos visaram aclarar dúvidas do Tribunal Constitucional e não aumentar isenções de IVA, resultando no mais “um amplo consenso” na matéria de que se recorda.

Partidos violam sistematicamente a lei de financiamento desde que foi aprovada em 2003

Ano após ano, quase todos os partidos (com ou sem representação parlamentar) desrespeitaram várias normas da lei de financiamento dos partidos políticos e das campanhas eleitorais. As alterações que acabam de aprovar no Parlamento vão servir para contornar essas normas e deixar de pagar coimas anuais de milhares de euros.
Recomendadas

“Este orçamento aposta nas eleições”, critica Rui Rio

Rio escusou-se a revelar se o PSD votará contra este orçamento na votação na Assembleia da República, apontando que essa será uma decisão a ser tomada pelo partido.

Marcelo deu posse aos novos secretários de Estado

Foram reconduzidos como secretários de Estado Ana Mendes Godinho (Turismo), José Mendes (Adjunto e da Mobilidade), Carlos Manuel Martins (Ambiente), Célia Ramos (Ordenamento do Território e Conservação da Natureza) e Ana Pinho (Habitação).

PremiumGoverno do PS assume o todo: Bloco e PCP reivindicam as suas “marcas”

A caminho das eleições de 2019, os partidos procuram garantir dividendos políticos. BE e PCP reclamam autoria de medidas e tencionam manter pressão sobre o PS na fase da especialidade.
Comentários