CDS-PP diz que é preciso dar resposta a altas problemáticas na Madeira

Os centristas dizem que é preciso responder às 600 pessoas que estão nos hospitais com alta médica mas não têm para onde ir e a uma lista de espera com mas de 1000 pessoas para internamento num lar.

O CDS-PP diz ser necessário dar resposta às altas problemáticas na Madeira, numa ação que decorreu no Centro de Saúde da Calheta.

“Temos 600 pessoas que estão nos hospitais com alta médica, mas não têm para onde ir. Por outro lado, temos uma lista de espera com mais de 1.000 pessoas à espera de internamento num lar. É preciso responder a estes dois desafios”, referiu José Manuel Rodrigues, presidente do CDS-PP Madeira.

Nesse sentido o centrista abordou o Estatuto do Cuidador Informal, que diz ser importante na resposta às altas problemáticas

“O custo para a Região e para o Estado de uma diária num hospital é de 180 euros/dia. 435 euros/mês que o CDS-PP propõe, para o cuidador informal, representa uma poupança grande para a Região”, sublinhou o centrista.

Recomendadas

Parlamento Europeu: Sara Cerdas nomeada para delegações Euro-Latino-Americana e África do Sul

Sara Cerdas afirma a necessidade de “construir pontes, criar relações consolidadas e intervir diretamente nos problemas que afetam diariamente os nossos emigrantes”, acrescentando que o Parlamento Europeu dispõe de mecanismos que podem ajudar a ultrapassar alguns desses problemas.

Madeira: CDU denuncia destruição do Vale do Porto Novo por utilização de pedreiras e britadeiras

Edgar Silva diz que a destruição ambiental na Região “é uma realidade que acontece porque conta com poderosos interesses económicos aos quais os governantes nas autarquias e no Governo Regional dão proteção”.

Albuquerque quer auscultar população para definir programa de Governo

Para o presidente do Governo Regional, a escolha nas eleições regionais, é entre aqueles que “salvaguardam o direito dos madeirenses a decidirem o seu presente e futuro” e “aqueles que estão subordinados aos interesses centralistas de Lisboa”.
Comentários