CDS-PP e Chega pedem demissão da ministra do Trabalho e Segurança Social

O PSD também decidiu chamar a ministra do Trabalho e a da Saúde ao parlamento, com caráter de urgência, “para explicarem o sucedido”.

Mário Cruz/Lusa

Os líderes de CDS-PP e Chega pediram este sábado a demissão da ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, devido à entrevista ao “Expresso” da governante, que desvalorizou os surtos de covid-19 em lares de idosos.

O presidente democrata-cristão, Francisco Rodrigues dos Santos, declarou ao mesmo jornal semanário que “a continuidade em funções” daquela responsável pela tutela “é uma questão de saúde pública – que se mantenha em férias e dê lugar a outro”.

Segundo o líder centrista, as declarações da ministra são “afirmações que parecem retiradas de um filme de terror” e “Portugal não tem uma ministra da Solidariedade Social, tem uma ministra da Insensibilidade Social”.

O deputado único do Chega, André Ventura, entregou no parlamento um requerimento para que Ana Mendes Godinho dê explicações a propósito da tragédia ocorrida no lar de Reguengos de Monsaraz, Évora, onde morreram 18 idosos.

“Para além da absoluta incúria e negligência na fiscalização das entidades que deveriam estar na linha da frente na prevenção do contágio e disseminação da covid-19, a governante (…) revelou frieza, desinteresse e uma enorme negligência” e não reúne, assim, quaisquer condições para continuar no exercício do cargo”, lê-se em comunicado do partido populista de direita.

Entretanto, o PSD também decidiu chamar a ministra do Trabalho e a da Saúde ao parlamento, com caráter de urgência, “para explicarem o sucedido”.

Na entrevista, Ana Mendes Godinho admitiu falta de funcionários nos lares, lembrando que há um programa para colmatar essa falha, mas considerou que a dimensão dos surtos de covid-19 “não é demasiado grande em termos de proporção”.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 760 mil mortos e infetou mais de 21 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal morreram 1.775 pessoas das 53.981 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Ler mais
Relacionadas

PSD vai chamar ministra Ana Mendes Godinho ao Parlamento

Os sociais-democratas irão entregar o requerimento na próxima segunda-feira, de acordo com a notícia que está a ser avançada pela SIC. Em causa está a entrevista ao “Expresso”, na qual a ministra diz que ainda não leu o relatório da Ordem dos Médicos sobre o surto do lar de Reguengos de Monsaraz.

Dimensão dos surtos em lares “não é demasiado grande”, aponta ministra da Segurança Social

Segundo números avançados por Ana Mendes Godinho, foram aprovadas até agora 5.800 pessoas para instituições do setor social, sendo que o objetivo é colocar cerca de 15 mil até ao final do ano.
Recomendadas
Isabel Moreira na Assembleia

Isabel Moreira deixa discussão em plenário de projeto de revisão constitucional do Chega nas mãos de Ferro Rodrigues

Parecer pedido à deputada socialista pelo presidente da Assembleia da República indica que a Comissão de Assuntos Constitucionais não é competente para travar ida a plenário do projeto do Chega que prevê a castração química ou física de pedófilos. Apesar de Isabel Moreira deixar claro que lhe reconhece “normas que violam grosseiramente limites materiais de revisão, na medida em que descaracterizariam, se aprovadas, o princípio da dignidade da pessoa humana”.

EUA: adiamento da votação do Congresso dá esperança à aprovação de novo pacote de estímulos

Depois de meses de impasse, a Câmara dos Representantes, de maioria democrata, decidiu não votar um pacote que estava condenado ao fracasso quando subisse ao Senado, de maioria republicana. O adiamento é visto como um sinal de avanços nas negociações entre Nancy Pelosi e Steve Mnuchin, ou seja, entre os democratas do Congresso e a Casa Branca.

Pedro Silva Pereira designado relator para acordo do Brexit

“A proposta de lei do Governo de Boris Johnson sobre o mercado interno britânico tem disposições unilaterais frontalmente contrárias ao protocolo para a Irlanda e a Irlanda do Norte. É uma violação grosseira do princípio da boa fé e do Direito internacional. Não podia ter outra resposta”, refere o eurodeputado socialista.
Comentários