CDS-PP oferece “outdoors” às autarquias para campanhas de prevenção da Covid-19

Francisco Rodrigues dos Santos enviou uma carta para todos os presidentes de câmara municipal portugueses a oferecer as estruturas de propaganda política de que os centristas dispõem. E apela aos outros partidos para seguirem este exemplo.

O CDS-PP vai oferecer às autarquias todas as estruturas destinadas a outdoors de propaganda política para que possam ser utilizadas em campanhas de informação às populações, incluindo medidas de prevenção e resposta ao contágio pela Covid-19, “por um período não inferior a dois meses e até que as medidas excecionais decretadas sejam levantadas”.

Segundo uma carta enviada pelo líder centrista Francisco Rodrigues dos Santos a 80 presidentes de câmara onde o partido dispõe de 100 estruturas desse tipo, bastará que cada um deles transmita essa vontade através do endereço de correio eletrónico covid19@cds.pt para que sejam informados dos procedimentos necessários para que os equipamentos sejam colocados à disposição dos respetivos municípios.

Segundo o presidente do CDS-PP, que apela aos outros partidos para tomarem igual decisão, “é fundamental prevenir, atuar e informar”, pois este é “um momento de união entre todos os portugueses, de estreitarmos os laços que nos ligam, de nos concentrarmos no que nos é comum, de cuidarmos uns dos outros, e de conduzirmos Portugal à vitória nesta guerra”.

Recomendadas

Número de passageiros transportados pela TAP diminuiu 62% no primeiro semestre

“A TAP atuou com agilidade e rapidez aos primeiros sinais de impacto da pandemia, adequando a capacidade ao novo cenário de procura e minimizando assim os custos operacionais com o objetivo de preservação de caixa”, comentou a companhia, no documento em que demonstrou um prejuízo de 582 milhões de euros no primeiro semestre.

TAP: Plano de reestruturação será apresentado a Bruxelas até 10 de dezembro

O plano visa “assegurar a sustentabilidade e rentabilidade da TAP, através de um adequado planeamento de rotas e frota, da adaptação do produto TAP à realidade atual e pós Covid-19, e do aumento da eficácia e da eficiência dos serviços centrais e das unidades do Grupo TAP”, refere a companhia, que registou um prejuízo de 582 milhões de euros no primeiro semestre.

TAP apresenta prejuízo de 582 milhões de euros no primeiro semestre

Um resultado líquido negativo de 582 milhões de euros no primeiro semestre de 2020 é a primeira informação da TAP S.A. que o CEO interino, Ramiro Sequeira, comunica oficialmente. A margem EBITDA cai para -20%, isto é, 28,7 pontos percentuais abaixo do verificado no primeiro semestre de 2019.
Comentários