CDS-PP propõe estatuto do cuidador informal na Madeira

Os centristas vão propor um apoio financeiro de 435 euros por mês.

Um estatuto para o cuidador informal é a solução apresentada pelo CDS-PP Madeira para dar resposta ao esgotamento dos cuidados continuados, às altas problemáticas, e às listas de espera para os lares, explicou António Lopes da Fonseca, deputado dos centristas madeirenses.

“Somos uma região com autonomia, temos possibilidades de legislar nesta matéria, ainda que na República a esquerda, toda unida, esteja contra este estatuto”, referiu António Lopes da Fonseca.

Para o centrista é necessário legislar na Madeira independentemente do que se passar na República. O centrista apela a uma mudança de comportamento por parte das outras forças políticas no Parlamento insular.

“Temos que criar condições para que as pessoas possam cuidar dos seus familiares”, sublinhou. A proposta do CDS-PP prevê um apoio de 435 euros por mês para o cuidador informal.

Recomendadas

Ter radioterapia é uma vantagem para a Madeira, diz diretor de ginecologia do SESARAM

O responsável pela ginecologia/obstetrícia disse ainda pensar que Rafael Macedo estaria capacitado para realizar os tais 63 exames de medicina nuclear, durante a comissão de inquérito à unidade de medicina nuclear.

“Fala-se muito num hospital novo, mas as paredes não funcionam sozinhas”, Pedro Costa Neves

O médico refere que o Hospital Doutor Nélio Mendonça tem “problemas de perda de valências e de falta de referências” e que esta é a causa para uma “degradação dos cuidados que presta”.

Madeira vai reabilitar 27 habitações degradadas ao abrigo do programa PRID

O PRID visa conceder apoio a famílias que não têm acesso a crédito bancário de modo a procederem a obras na habitação.
Comentários