CDU defende melhor uso do aeroporto do Porto Santo

O partido alertou ainda para a necessidade de se tomar medidas que mitiguem os impactos das alterações climáticas.

A CDU defendeu um melhor uso do Aeroporto do Porto Santo, durante uma ação de campanha para as eleições europeias. Mariana Silva, candidata ecologista do partido ao Parlamento Europeu, alertou para o isolamento deste território devido à falta de ligações com a Madeira e o Continente e ainda para a necessidade de se tomar medidas que mitiguem os efeitos das alterações climáticas.

“As alterações ocorridas na ligação aérea, mesmo que se tenha sentido alguma melhoria, continuam a não dar resposta às necessidades da população”, disse Mariana Silva.

A candidata ao Parlamento Europeu considerou que o Porto Santo está a ser “inadmissivelmente penalizado nas suas possibilidades de desenvolvimento” por apenas existir uma ligação aérea semanal, ao sábado, com o continente.

“Esta situação excluí o Porto Santo da rota dos destinos possíveis de fim de semana para o turismo nacional. Rota permitiria manter ao longo do ano o Porto Santo como destino turístico, a nível nacional, gerando assim emprego fora da época sazonal. Os Verdes e a CDU continuarão a defender um melhor aproveitamento do aeroporto do Porto Santo”, defendeu Mariana Silva.

A candidata ao Parlamento Europeu alertou ainda para a “necessidade urgente” de proteger os cordões dunares, primário e secundário, no sentido de se “travar imediatamente” a pressão urbanística existente, acrescentando ainda que o Porto Santo precisa de iniciar um “processo sério e continuado de reflorestação” de forma a recarregar os lençóis freáticos.

Recomendadas

Mais de 10 anos após primeiras reivindicações ainda não há lei das tatuagens, alerta Deco

Nas visitas realizadas pela nossa equipa da revista PROTESTE a estúdios de tatuagens verificou-se que tatuar a pele de um menor sem a autorização dos pais não levanta qualquer constrangimento a muitos profissionais.

PAN quer no mínimo dois deputados na Assembleia da Madeira

As bandeiras do partido são a saúde, o combate à corrupção e tráfico de influências, a luta contra a pobreza e uma linha marítima entre a Madeira e o continente.

Aliança quer eleger cidadãos e não políticos de profissão

O candidato refere que em sede de parlamento tudo é negociável e que o seu compromisso é fazer cumprir o programa de governo, mas que não tem pretensões de ir para governo, “a não ser que ganhemos as eleições”.
Comentários