Centenário de Amílcar Cabral será pretexto para reflexão sobre Cabo Verde

Amílcar Lopes Cabral nasceu a 12 de setembro de 1924 em Bafatá, atual Guiné-Bissau, filho de pais cabo-verdianos.

O ministro da Cultura cabo-verdiano afirmou hoje que o centenário do nascimento do nacionalista Amílcar Cabral, dentro de seis anos, será o pretexto para “uma reflexão crítica” sobre Cabo Verde, associada a uma figura “incontornável” para o país.

Abraão Vicente falava durante a apresentação do programa de fomento à produção audiovisual e cinematográfica (edital de cinema) da Associação de Cinema e Audiovisual de Cabo Verde (ACACV), que decorreu na cidade da Praia.

O ministro recordou que o Governo lançou oficialmente a imagem da “Agenda 2024”, a qual visa marcar o início das comemorações do centenário de nascimento de Amílcar Cabral, que se assinala hoje.

Trata-se de um conceito que “visa lançar um desafio a todas as instituições da República, às universidades, às escolas e à própria sociedade civil em geral para que se crie uma agenda de reflexão, de atividades e de ação visando a celebração em 2024 do centenário do nascimento de Amílcar Cabral”, segundo nota do Governo.

Segundo o ministro Abraão Vicente, apesar de ter sido dada a conhecer há um dia, já várias personalidades manifestaram a intenção de contribuir para esta agenda.

Por se encontrar numa cerimónia relacionada com o audiovisual e o cinema, o ministro aproveitou e desafiou o setor a contribuir com uma produção específica para a efeméride, que o Governo gostaria que tivesse uma dimensão à altura do que aconteceu no centenário do nascimento de Nelson Mandela.

Faltam, portanto, seis anos para o país, e quem sabe a diáspora, se preparar para celebrar o nascimento de Amílcar Cabral.

“Cabral vai ser um pretexto para uma reflexão crítica sobre o estado de Cabo Verde, 100 anos após o seu nascimento”, disse.

Abraão Vicente falava no Palácio da Cultura Ildo Lobo, onde ao final da tarde ocorrerá um concerto organizado pela Fundação Amílcar Cabral e a Fundação Lelio e Lisli Basso.

Do cartaz do concerto “Cantar Cabral e a resistência” fazem parte nomes como Mário Lúcio, Teresinha Araújo, Ana Lisboa, Sory Araújo, Body, Vera Cruz, Alberto koenig, Fattú Djakité, Eric Tavares, Mano Preto, Totinho, Binga e Nhelas.

Quinta-feira, a Fundação Amílcar Cabral, na cidade da Praia, acolhe uma roda de conversa sobre “A atualidade do pensamento de Amílcar Cabral face ao imperativo da unidade africana”.

Amílcar Lopes Cabral nasceu a 12 de setembro de 1924 em Bafatá, atual Guiné-Bissau, filho de pais cabo-verdianos.

Fundou o Partido Africano da Independência da Guiné-Bissau e Cabo Verde (PAICV), lançando as bases do movimento que levaria à independência das duas antigas colónias portuguesas.

Foi assassinado a 20 de janeiro de 1973, em Conacri, em circunstâncias ainda hoje não totalmente claras, antes de ver os dois países tornarem-se independentes

Ler mais
Recomendadas

Nove empresas entram no capital do transporte marítimo de Cabo Verde

Um grupo de nove armadores (Cabo Verde Fast Ferry, Polaris, Adriano Lima, Verdemar, Santa Luzia Salvamento Marítimo, Jô Santos & David, União de Transportes Marítimos, Oceanomade e Aliseu) assumiu 49% do capital social da Inter-ilhas, que tem como sócio maioritário a portuguesa Transinsular.

Governo de Cabo Verde: “Assédio a turistas não vai continuar a ser tolerado”

O líder do executivo cabo-verdiano propõe ainda que a problemática da sustentabilidade do turismo seja vista na ótica de oportunidades.

Presidente de Cabo Verde lança livro em Portugal

A obra, intitulada “A Sedutora Tinta de Minhas Noutes”, é apresentada esta terça-feira no Teatro Almeida Garrett, na Póvoa do Varzim.
Comentários