Centeno: Riscos eram “enormes” na venda do Novo Banco devido à forma como foi feita a resolução do BES

Ministro das Finanças disse hoje no Parlamento que tanto o Estado como o Lone Star assumiram o compromisso de manter o Novo Banco como uma instituição relevante e de referência no sistema financeiro português.

Cristina Bernardo
Ler mais

O ministro das Finanças, Mário Centeno, afirmou hoje que a venda do Novo Banco ao Lone Star foi feita tendo em conta a necessidade de assegurar a estabilidade do sistema financeiro e do próprio Novo Banco, procurando ao mesmo tempo proteger os interesses dos contribuintes. Mas frisou que os riscos para o Estado e para o setor financeiro eram “enormes”, devido à forma como a resolução do BES foi feita.

“O risco que a República correu foi enorme. Ao fazer-se uma resolução com um fundo de resolução que não está capitalizado está-se a transferir para todo o sistema financeiro um risco que não era sustentável, colocando em causa não só o Novo Banco e a venda do Novo Banco, mas todo o sistema financeiro português”, disse Centeno quando questionado pelo deputado social-democrata Leitão Amaro a respeito dos compromissos que o Estado português assumiu perante o Lone Star, na venda do Novo Banco.

Centeno defendeu que os “riscos era muitos e foram criados a 3 de agosto de 2014, quando foi definido o perímetro de ativos do Novo Banco”. “Não era um banco bom”, defendeu, lembrando que o Fundo de Resolução é uma entidade pública e que o Estado tem obrigações relativas a esta entidade.

“O Estado assumiu compromissos principalmente naquilo que tem a ver com a estabilidade do sistema financeiro e na estabilidade do Fundo de Resolução. O acionista do Novo Banco é o Fundo de Resolução e é necessário garantir a solvência do Fundo de Resolução”, disse o ministro em resposta ao deputado comunista Miguel Tiago.

“As responsabilidades do Fundo de Resolução caem sobre o sistema financeiro. E o papel que o Estado teve nesta dimensão foi o de garantir essa solvência e sustentabilidade do Fundo de Resolução”, acrescentou Mário Centeno, lembrando que a venda do Novo Banco teve lugar num contexto difícil, dadas as regras europeias e a conjuntura desafiante do sistema financeiro.

Centeno realçou que tanto o Estado como o Lone Star assumiram o compromisso de manter o Novo Banco como uma instituição relevante e de referência no sistema financeiro português.

Até ao momento, o ministro recusou responder a questões sobre a polémica dos bilhetes que pediu ao Sport Lisboa e Benfica.

Relacionadas

Centeno já sente o trabalho “bastante exigente” de presidente do Eurogrupo

O presidente eleito do Eurogrupo, Mário Centeno, deslocou-se hoje a Bruxelas, já na condição de futuro líder do fórum informal de ministros das Finanças da zona euro, trabalho que admitiu ser “bastante exigente”, à luz do seu lema de “geração de consensos”.

“Há 45 anos que vejo jogos do Benfica e não espero deixar de os ver”, esclarece Centeno

O ministro das Finanças rejeitou hoje, em Bruxelas, qualquer polémica em torno do pedido de bilhetes para assistir a um jogo do Benfica e assegurou que tenciona continuar a deslocar-se ao estádio da Luz, como faz “há 45 anos”.
Recomendadas

Avanços da Mercadona em Portugal não surpreendem

O anúncio de expansão da Mercadona em território nacional veio “agitar as águas”, abrindo a porta à reflexão sobre esta presença, mas também sobre o peso que assumem hoje as insígnias espanholas na distribuição portuguesa.

Marcas ocidentais perdem terreno nas preferências dos consumidores chineses

Enquanto a Apple, IKEA, Nike ou BMW perdem popularidade, marcas chinesas como a Alipay, Huawei ou Taobao sobem no índice de preferência dos consumidores.

Preços da eletricidade e gás em Espanha e Portugal são dos mais caros da União Europeia

No segundo semestre de 2017, a Espanha foi o sexto país da União Europeia com eletricidade mais cara (Portugal foi o quinto), segundo dados compilados pelo Eurostat. No topo desta tabela destacam-se a Alemanha, a Dinamarca e a Bélgica.
Comentários