Centeno quer “Europa mais robusta e mais resistente a crises” 

Antes da conferência de imprensa com os jornalistas portugueses, Mário Centeno recebeu “o sino da zona euro” das mãos do holandês Jeroen Dijsselbloem e afirmou que é preciso “estar ciente” dos “desafios que têm de ser enfrentados”.

O ministro das Finanças, Mário Centeno, disse hoje, em Paris, que quer “uma Europa mais robusta e mais resistente a crises”.

As declarações foram feitas aos jornalistas portugueses, depois da cerimónia de “passagem de testemunho” do Eurogrupo, que decorreu na embaixada de Portugal em Paris, em que recebeu a pasta de presidente do Eurogrupo do holandês Jeroen Dijsselbloem.

“É muito motivante aquilo que nos espera nos próximos dois anos e meio, mostraremos todo o empenho no processo de construção de uma Europa mais robusta e mais resistente a crises que é aquilo que os decisores políticos têm como obrigação fazer para com os seus cidadãos, numa relação transparente e que traga previsibilidade à vida de todos nós”, afirmou.

Mário Centeno sublinhou que se está perante uma “janela de oportunidade para progredir na construção europeia”, graças a uma dimensão política, nomeadamente ao “início de ciclos políticos muito relevantes em vários países da Europa” e às atuais “boas condições económicas” na Europa.

“A outra dimensão é a económica, pelas boas condições económicas que nós temos na Europa: crescimento económico acima de 1,5% para todos os países, uma posição orçamental equilibrada no conjunto da área, com melhorias muito significativas também transversalmente a todos os países e com uma posição de poupança líquida e uma posição externa muito favorável para a Europa”, explicou.

O novo presidente do Eurogrupo acrescentou que os “marcos muito importantes” que a Zona Euro tem pela frente passam pela conclusão da união bancária, da união do mercado de capitais e de “uma capacidade orçamental para a união que promova o investimento e que promova a estabilidade e que funcione como mecanismo de estabilização”.

Antes da conferência de imprensa com os jornalistas portugueses, Mário Centeno recebeu “o sino da zona euro” das mãos do holandês Jeroen Dijsselbloem e afirmou que é preciso “estar ciente” dos “desafios que têm de ser enfrentados”.

Jeroen Dijsselbloem destacou, por sua vez, o “forte apoio no Eurogrupo” que o português tem e disse estar “feliz” por lhe transferir a pasta.

Esta tarde, Mário Centeno vai ao ministério francês da Economia e das Finanças para uma reunião com o seu homólogo Bruno Le Maire.

Esta quinta-feira, o ministro português foi recebido pelo presidente francês, Emmanuel Macron, no Palácio do Eliseu, e depois deslocou-se ao palácio de Matignon para uma reunião com o primeiro-ministro francês, Édouard Philippe.

No dia 22 decorre a primeira reunião do Eurogrupo sob a presidência de Mário Centeno.

Ler mais
Relacionadas

Dijsselbloem alerta: moeda única ainda não é “resistente ao choque” de uma eventual crise

No dia em que Mário Centeno tomou posse como presidente do Europgrupo, Jeroen Dijsselbloem, seu antecessor, considerou que a robustez do euro vai depender de novas políticas no mercado de trabalho e do funcionamento dos mercados de capitais.

A nova vida de Centeno

Ministro das Finanças assume presidência do Eurogrupo este sábado. O trabalho vai ser feito essencialmente a partir de Lisboa, mas as viagens de avião e as pernoitas em hotéis vão tornar-se rotina. No campo político, a reforma da Zona Euro e a Grécia são as principais dores de cabeça.

Centeno tocou o sino e já é presidente do Eurogrupo

O ministro das Finanças português tomou posse esta sexta-feira em Paris. Formalmente, o mandato de Mário Centeno tem início amanhã, 13 de janeiro,

Mário Centeno assume liderança do Eurogrupo hoje

O Conselho da União Europeia refere que a “passagem de testemunho” da presidência do Eurogrupo do holandês Jeroen Dijsselbloem para Mário Centeno decorrerá pelas 12:00 em Paris (11:00 em Lisboa). Como o Eurogrupo é considerado um órgão informal da União Europeia, não haverá uma tomada de posse formal.

Margarida Marques: “Centeno vai ter maior influência política”

Margarida Marques, ex-secretária de Estado dos Assuntos Europeus, garante ao Jornal Económico que a chegada do português à presidência não é uma conquista menor.
Recomendadas

Altice Portugal em conversas com dois bancos para prestar serviços financeiros

Alexandre Fonseca afirmou que, “neste momento, a Altice Portugal está a falar com duas instituições financeiras nacionais (…) sobre a possibilidade de expandir a sua oferta para a área de serviços financeiros”.

PremiumEmpresas e famílias terão incentivos fiscais no interior

Governo lança benefícios fiscais (ao nível do IRC e do IRS) para promover a revitalização do interior. Investir fora dos grandes centros urbanos terá mais vantagens para as famílias e para as empresas.

PremiumGoverno vai alocar 200 milhões das receitas do IRC à Segurança Social

O Governo pretende alocar cerca de 200 milhões de euros das receitas de IRC arrecadadas em 2019 ao Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social, o equivalente a um ponto percentual da taxa do imposto que recai sobre as empresas . Face à transferência deste ano, os cofres da Segurança Social receberão mais 120 milhões de euros em 2019.
Comentários