Centro Internacional de Investigação para o Atlântico vai ser construído nos Açores

Vinte e nove países aprovaram ontem, na ilha Terceira, Açores, a constituição, até ao fim de 2018, do Centro Internacional de Investigação para o Atlântico dos Açores, anunciou o ministro da Ciência, Manuel Heitor.

O anúncio foi feito aos jornalistas, durante a cimeira internacional “Atlantic Interactions” (Interações para o Atlântico), que terminou ontem na Praia da Vitória, na ilha Terceira.

A cimeira, de dois dias, visava preparar a criação do Atlantic International Research Center (AIR Center) dos Açores, um centro de investigação direcionado para o estudo do Atlântico, nas áreas do espaço, das alterações climáticas, da atmosfera, das energias renováveis e do processamento de dados.

A agência Lusa avança que as conclusões da cimeira, nas quais foram fixados prazos para a constituição do AIR Center, foram aprovadas, por aclamação, pelos participantes do encontro: representantes de governos, empresas e instituições científicas e académicas de 29 países e delegações da comissão e do parlamento europeus, das Nações Unidas e da Agência Espacial Europeia.

Segundo Manuel Heitor, ministro da Ciência, Tecnologia e do Ensino Superior, até ao final de 2018 será constituído o AIR Center, com os respetivos estatutos e plano de financiamento aprovados, bem como lançados os primeiros projetos de investigação.

O AIR Center funcionará como uma organização intergovernamental, agregando uma rede de instituições em diversos países, e será financiada por fundos públicos e privados.

De acordo com o ministro, caberá ao Governo Regional dos Açores definir a localização da sede do centro.

Uma nova cimeira, para ratificar os compromissos assumidos, irá realizar-se no Brasil, em novembro deste ano.

Será criado um grupo de trabalho, formado por representantes de governos, empresas e instituições universitárias e científicas, para estabelecer, até ao fim do ano, as bases para a criação do AIR Center e o plano de financiamento da organização intergovernamental: as estimativas de montantes que possam estar envolvidos não foram avançadas.

Sobre a construção de um porto espacial para lançamento de pequenos satélites para observação da Terra, sugerida para as ilhas de Santa Maria ou da Terceira no documento preparatório da cimeira, o ministro da Ciência, Tecnologia e do Ensino Superior, referiu que “é um elemento diferenciador” em relação ao AIR Center, que exige estudos de detalhe técnico, financeiro e de segurança.

O encontro internacional “Atlantic Interactions”, na Terceira, reuniu mais de 200 participantes de Portugal, Argentina, Bulgária, Brasil, Canadá, China, Colômbia, Chipre, França, Alemanha, Grécia, Índia, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Noruega, Roménia, Coreia do Sul, Espanha, Suíça, Reino Unido, Uruguai, Estados Unidos, Angola, Nigéria, São Tomé e Príncipe, Senegal, Cabo Verde e África do Sul.

Ler mais
Recomendadas

Investimento de 50 milhões vai permitir ao Alqueva ter o maior projeto fotovoltaico flutuante da Europa

Esta foi a solução encontrada pela Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva (EDIA) para fazer face aos custos elevados que a EDP cobra pelo fornecimento de energia às centrais hidroelétricas de Alqueva e Pedrógão.

Moody’s: Portugal com economia em risco a partir de 2030 devido ao envelhecimento da população

Para contrariar os riscos de recessão económico, a agência defende que devem ser tomadas medidas que aumentem o crescimento da produtividade ou que sustentem o crescimento económico.

Alunos deslocados têm de se registar todos os anos no portal do Fisco para deduzir a renda

A renda paga pelos alunos que estão a estudar a mais de 50 quilómetros de casa pode ser deduzida ao IRS, mas para tal é necessário que todos os anos o estudante comunique ao fisco que se encontra deslocado.
Comentários