CEO da Euronext vê “boa notícia” da chegada da Raize à bolsa sem “entusiasmo excessivo”

Paulo Rodrigues da Silva diz esperar que entre este ano e o próximo haja novas ofertas públicas iniciais (IPO) na bolsa de Lisboa. A Sonae Retalho e as Sociedades de Investimento Mobiliário para o Fomento da Economia poderão ser as candidatas.

Cristina Bernardo
Ler mais

A fintech portuguesa Raize abriu esta segunda-feira capital a novos investidores e vai entrar em bolsa no próximo mês, pondo fim a um ano e meio em que os únicos movimentos do mercado acionista português foram de saída. O CEO da Euronext vê com bons olhos a operação, mas alerta que a operação é muito pequena no panorama nacional.

“A entrada da Raize em bolsa é obviamente uma boa notícia, mas não entremos em entusiasmos excessivos”, diz Paulo Rodrigues da Silva, em declarações ao Jornal Económico. A oferta pública de venda inicial (OPV) de 15% do capital da portuguesa Raize está decorrer e dia 18 de julho será admitida à negociação num dos mercados da Euronext.

Numa fase inicial serão disponibilizadas a investidores de retalho e institucionais 750,000 ações, que representam 15% do capital, a um preço fixo de dois euros por ação. Após a entrada em bolsa, será colocado até um total de 25% do capital.

“É uma operação muito pequena, estamos a falar de uma valorização muito pequena. Estamos a falar de uma valorização de 10 milhões de euros e do Euronext Access, que é um mercado não regulamentado, portanto vamos encarar isto com realismo. Não é nenhuma mudança estrutural no mercado de capitais em Portugal”, refere.

Bolsa de Lisboa não é só para os grandes

Segundo o presidente da gestora da Bolsa de Lisboa, a operação é positiva por três razões, a começar por ser uma empresa pequena, “o que mostra que a bolsa não é só para empresas grandes”. Também por ser uma tecnológica, que é uma área em que a Euronext tem apostado e que sinaliza que há outras opções para as startups além do venture capital ou o private equity.

“A bolsa também uma opção para startups”, afirma. Acrescentou que a opção por colocação pública é interessante já que a poderia ter escolhido uma operação privada, como aconteceu na última entrada em bolsa.

Em dezembro de 2016, a Patris Investimentos foi admitida à negociação no mercado Alternext, após três aumentos de capital através de colocações privadas. Antes da Raize, a última Oferta Pública Inicial (IPO) tinha sido em fevereiro de 2014, da Espírito Santo Saúde.

“E é interessante ver que a Raize optou por uma colocação pública, não é apenas uma colocação privada. Um dos argumentos que costumamos dizer que é relevante para os mercados de capitais é o tema da visibilidade e credibilidade”, afirma Paulo Rodrigues da Silva. “Não é só a liquidez e ou necessidade de capital – porque hoje em dia até se pode obter capital de outras formas – é este tema da visibilidade foi considerado uma coisa importante, principalmente para uma empresa que tem uma relação com consumidores ou particulares”.

Euronext espera novos IPO até 2019

O presidente da entidade gestora da Bolsa de Lisboa diz ter expetativa que este ano e no próximo haja outras IPO, apontando para projetos mais ambiciosos. “Podemos ter uma operação grande que é a da Sonae Retalho e que está a ser avaliada”, afirma.

Em maio, o grupo anunciou que está a analisar a colocação em bolsa da subsidiária de retalho alimentar, a Sonae MC, e a entidade que gere a propriedade imobiliária, a Sonae RP. Na última divulgação de resultados, os ativos da Sonae Retalho foram responsáveis por mais de 72% do volume de negócios total da Sonae SGPS, que se fixou em 1.342 milhões de euros.

Além desta operação, Paulo Rodrigues da Silva lembra as Sociedades de Investimento Mobiliário para o Fomento da Economia (SIMFE), que são organismos de investimento coletivo resultantes do programa Capitalizar, que poderão ser cotados em bolsa e financiam pequenas e médias empresas.

A Flexdeal tornou-se, a 4 de janeiro deste ano, a primeira sociedade do género aprovada pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). “Há uma [SIMFE] em processo de avaliação. Portanto, sim, temos expetativa que haverá mais algumas operações. A data é que não depende de nós”, acrescentou.

Relacionadas

Ações da Raize já estão disponíveis a novos investidores

Ações no valor de 15% do ‘fintech’ portuguesa ficaram disponíveis a partir desta segunda-feira. A empresa avaliada em 10 milhões de euros torna-se a primeira em vários anos a entrar na bolsa de Lisboa a 18 de julho.
Recomendadas

Wall Street fecha mista em dia de Farfetch

O Dow Jones fechou em alta em contra-mão com os Nasdaq e S&P. A estreia de bolsa da Farfetch é um dos destaques em Wall Street, tendo a procura levado a uma subida do preço da ação face ao preço da colocação no IPO (oferta pública inicial).

Farfetch vale 7,02 mil milhões de dólares em bolsa

No lançamento do IPO, as ações da empresa valiam 20 dólares (17,03 euros), mas no final da sessão fecharam com uma cotação de 28,5 dólares. Ao fecho da sessão, a Farfetch tinha uma capitalização bolsista de 7,02 mil milhões de dólares (6,13 mil milhões de euros).

Bolsa de Lisboa fecha em terreno negativo em contra-ciclo com a Europa

A família Sonae, a Mota-Engil e a Pharol estragaram a sessão da bolsa lisboeta ao registarem quedas acima de 3%. A maioria das praças europeias encerrou em alta, com os índices ibéricos a registarem performances inferiores aos pares. O Euro Stoxx 50 registou a décima sessão consecutiva de valorização.
Comentários