CEO do IT People Group ao JE: “O mercado peruano está muito recetivo às nossas soluções”

Eduardo Vieitas faz o balanço do investimento realizado neste país da América Latina, onde já este ano ganhou contratos com empresas mineiras e uma consultora financeira.

O  IT People Group abriu na cidade de Lima, capital do Peru, uma empresa especializada no desenvolvimento de projetos de realidade aumentada, realidade virtual e mixed reality, a NextReality. Um ano depois, o gestor faz um balanço do do investimento ao Jornal Económico.

Como estão a operar no Peru?
Através de uma empresa constituída em 2017 com o nome de NextReality, que oferece soluções de Realidade Virtual, Aumentada e Mista para os negócios.

O que faz no concreto?
Implementamos soluções de RA, RV e RM com especial enfoque nos setores mineiro e financeiro, dado serem setores em franca expansão local.

A aposta no mercado peruano está a dar frutos?
A entrada num novo mercado apresenta sempre desafios, sobretudo com uma oferta transformadora do negócio. Exigiu e exige um acompanhamento de cliente constante, mas o mercado está muito recetivo a estas soluções.

Há objetivos de expansão para outros países da América do Sul?
Estamos atentos a oportunidades, muito embora a única abertura de escritório seja esta.

Como estão a operar no Perú?
Temos uma equipa local focada essencialmente no desenvolvimento do negócio, liderada pelo nosso country manager. O número de funcionários seja variável, tendo em conta o número de projetos. Com o aumento destes e do interesse nas nossas soluções, a tendência será o crescimento da equipa local nas diversas áreas do negócio.

Que negócios fecharam recentemente?
Neste ano, fechámos alguns contratos com empresas mineiras e com uma consultora financeira. Não podemos dar nomes até estarem públicos. São todos projetos com uma componentes de Mixed Reality e alguns deles com o envolvimento da Microsoft Perú.

Ler mais
Recomendadas

Mercadona procura quota de vendas superior a 10% em Portugal

Se replicar o êxito de Espanha, onde garante 25% das receitas com 17% da área comercial, grupo de Juan Roig vai chegar ao topo do mercado interno.

Farfetch: “Vamos reinvestir as margens do crescimento agressivo da empresa”

José Neves, fundador da Farfetch, está satisfeito com os resultados obtidos pela empresa, tal como foi como foi prometido ao mercado. O foco está em continuar a crescer e não na rentabilidade imediata.

Corte de 462 mil euros no orçamento da Agência Lusa pode provocar despedimentos

Em causa está a decisão do Governo, que controla a participação maioritária da agência detida em 50,14% pelo Estado, de cortar na rúbrica Fornecimentos e Serviços Externos do orçamento da Agência Lusa
Comentários