CEO do IT People Group ao JE: “O mercado peruano está muito recetivo às nossas soluções”

Eduardo Vieitas faz o balanço do investimento realizado neste país da América Latina, onde já este ano ganhou contratos com empresas mineiras e uma consultora financeira.

O  IT People Group abriu na cidade de Lima, capital do Peru, uma empresa especializada no desenvolvimento de projetos de realidade aumentada, realidade virtual e mixed reality, a NextReality. Um ano depois, o gestor faz um balanço do do investimento ao Jornal Económico.

Como estão a operar no Peru?
Através de uma empresa constituída em 2017 com o nome de NextReality, que oferece soluções de Realidade Virtual, Aumentada e Mista para os negócios.

O que faz no concreto?
Implementamos soluções de RA, RV e RM com especial enfoque nos setores mineiro e financeiro, dado serem setores em franca expansão local.

A aposta no mercado peruano está a dar frutos?
A entrada num novo mercado apresenta sempre desafios, sobretudo com uma oferta transformadora do negócio. Exigiu e exige um acompanhamento de cliente constante, mas o mercado está muito recetivo a estas soluções.

Há objetivos de expansão para outros países da América do Sul?
Estamos atentos a oportunidades, muito embora a única abertura de escritório seja esta.

Como estão a operar no Perú?
Temos uma equipa local focada essencialmente no desenvolvimento do negócio, liderada pelo nosso country manager. O número de funcionários seja variável, tendo em conta o número de projetos. Com o aumento destes e do interesse nas nossas soluções, a tendência será o crescimento da equipa local nas diversas áreas do negócio.

Que negócios fecharam recentemente?
Neste ano, fechámos alguns contratos com empresas mineiras e com uma consultora financeira. Não podemos dar nomes até estarem públicos. São todos projetos com uma componentes de Mixed Reality e alguns deles com o envolvimento da Microsoft Perú.

Ler mais
Recomendadas

Lucros da REN recuam 8,1% em 2018 devido à CESE

REN anunciou redução dos lucros em 2018 e justificou a quebra com a subida da taxa de imposto.

34 anos depois, Wall Street volta a ‘vestir’ Levi Strauss. Regresso com subida superior a 30%

Para regressar aos mercados, a empresa colocou em circulação 36,66 milhões de ações, que chegaram aos investidores com um preço fixado de 17 dólares por título, um valor superior ao valor de referência fixado na oferta de saída que se situava entre os 14 e os 16 dólares.

Grupo Sonae investiu 1,2 mil milhões em 2018

O grupo não está preocupado com a entrada da Mercadona no território nacional – “já enfrentámos franceses e alemães”. E, por outro lado, ainda não desistiu de todo do IPO que, em 2018, não conseguiu levar por diante com a Sonae MC.
Comentários