Cerca de 3 mil milhões nos 44 de créditos ‘maus’ do Novo Banco

A Oliver Wyman vai entregar a avaliação do valor pedido pelo Novo Banco ao Fundo de Resolução (de 792 milhões) até meados de maio.

Rafael Marchante/Reuters

Os 44 créditos mais problemáticos do Novo Banco, referidos por António Ramalho, CEO do banco, na entrevista ao programa Conversa Capital da Antena 1/Jornal de Negócios, somam cerca de 3 mil milhões de euros, soube o Jornal Económico.

“O nosso CCA [mecanismos de capitalização contingente] está dividido em duas estruturas: 44 créditos fundamentais, em que está o grosso dos problemas, e um conjunto de créditos granulares que têm já alguns sinais de imparidades e que são geridos como um todo”, explicou Ramalho na entrevista. Mas o mecanismo na verdade está dividido em três estruturas, sendo a terceira a que aglutina as participações em capital e em Fundos de Reestruturação.

O Jornal Económico sabe que os ativos que estão sob o mecanismo de capital contingente, antes de imparidades, somam 7,9 mil milhões de euros e estão divididos da seguinte forma: 2,5 mil milhões de euros são os pequenos créditos granulares (dispersos) que são geridos como um todo; os 44 créditos problemáticos grandes somam um valor entre 2,5 mil e os 3 mil milhões e há ainda uma outra estrutura que consiste nas participações em fundos de reestruturação e nas participações em capital.

Estas participações somam também entre 2,5 mil e 3 mil milhões de euros. Aqui está incluído a GNB Vida, que está em processo de venda, e cujas imparidades superam os 400 milhões de euros (ver texto do lado). António Ramalho também admitiu que “80% dos custos com imparidades, são custos que existem sobre ativos que estão protegidos [pelo mecanismo de capital contingente do Fundo de Resolução]”.

Artigo publicado na edição semanal do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

Novo Banco: injeção de capital vai acontecer no primeiro semestre, garante António Ramalho

“Este é um processo que está todo ele previsto contratualmente entre acionistas e que se inicia exatamente no dia da assembleia- geral, no dia 24”, realçou o responsável máximo do Novo Banco.

Ramalho: Novo Banco tinha mais de 6 mil milhões de crédito com imparidades nas mãos de cinco devedores

“Nós tínhamos mais de 6 mil milhões [dos créditos com imparidade] nas mãos dos cinco maiores detentores de crédito do banco. Hoje temos menos de metade disso. E os três maiores devedores do banco todos eles estavam acima de mil milhões e neste momento só temos um que está acima dos 500 milhões”, revelou António Ramalho no programa Conversa Capital.
Recomendadas

BPI é membro fundador do NEST – projeto-âncora do Programa Turismo 4.0

O BPI lidera a Linha de Apoio à Qualificação da Oferta – Turismo de Portugal, com uma quota de 23,6% do montante total de crédito enquadrado até 30 de junho de 2018. No âmbito desta linha, o BPI, em conjunto com o Turismo de Portugal, já financiou mais de 20 milhões de euros respeitantes a 37 projetos (27,8%).

Novo Banco nomeia Mark Bourke para CFO

Mark Bourke deverá entrar em funções no Novo Banco previsivelmente no início do próximo ano, depois de completar o seu mandato no AIB e após autorização pelo Banco Central Europeu.

Crédit Agrícole desiste do Eurobank na Polónia. BCP na corrida

O Crédit Agrícole retirou-se da corrida para comprar o Eurobank, a subsidiária polaca da Société Générale, deixando o campo aberto ao Millennium bcp e ao polaco Alior Bank, de acordo com a Reuters que cita o diário polaco Puls Biznesu.
Comentários