Cerca de 31.000 “coletes amarelos” protestam em França e 700 foram detidos

Cerca de 31.000 “coletes amarelos” manifestavam-se hoje a meio do dia em toda a França no quarto grande dia de protestos, que já levaram a mais de 700 detenções, 575 das quais em Paris, segundo o governo.

“A nível nacional, incluindo os parisienses, temos mais de 700 detenções para uma participação no movimento a meio do dia que é de 31.000 pessoas no território nacional, dos quais 8.000 em Paris”, indicou o secretário de Estado do Interior, Laurent Nuñez, ao canal televisivo France 2.

Os números são sensivelmente semelhantes aos do último sábado.

Os confrontos regressaram hoje de manhã às ruas de Paris, com a polícia reagir rapidamente contra os manifestantes, nomeadamente com gás lacrimogéneo e canhões de água.

A atuação policial parece revelar as ordens que os agentes receberam no sentido de evitar as cenas de guerrilha urbana registadas no passado fim-de-semana.

Houve um reforço policial significativo antecipando os protestos de hoje e antes do início da manifestação em Paris, a polícia já tinha detido centenas de pessoas.

Temendo a repetição dos tumultos na capital francesa, foram também reforçados os controlos nas estações e realizadas buscas sistemáticas junto aos locais de concentração.

Nas ruas do centro de Paris os comerciantes fecharam as lojas e desapareceu quase todo o mobiliário urbano, para que não possa ser usado como arma pelos manifestantes.

Ler mais
Recomendadas

Respostas Rápidas: Como é que o Reino Unido chegou à crise em que se está a afundar?

Razões históricas mas também de política interna motivam uma situação que está a extremar-se para lá das mais radicais das previsões.

Avianca Brasil avança com pedido de “recuperação judicial” por causa das dívidas

Companhia aérea brasileira, detida por Germán Efromovich (concorrente derrotado na privatização da TAP em 2015), “está sob o risco de paralisar as suas operações e de devolver aeronaves”, noticia a “Exame”.

China poderá reduzir tarifas às importações de automóveis produzidos nos EUA

Avanço nas negociações entre os EUA e a China pode reforçar as tréguas comerciais que começaram no passado dia 1 e têm um prazo de 90 dias. Ações das grandes construtoras mundiais subiram. Vendas de automóveis no mercado chinês desaceleraram no segundo semestre do ano.
Comentários