Cerca de 31.000 “coletes amarelos” protestam em França e 700 foram detidos

Cerca de 31.000 “coletes amarelos” manifestavam-se hoje a meio do dia em toda a França no quarto grande dia de protestos, que já levaram a mais de 700 detenções, 575 das quais em Paris, segundo o governo.

“A nível nacional, incluindo os parisienses, temos mais de 700 detenções para uma participação no movimento a meio do dia que é de 31.000 pessoas no território nacional, dos quais 8.000 em Paris”, indicou o secretário de Estado do Interior, Laurent Nuñez, ao canal televisivo France 2.

Os números são sensivelmente semelhantes aos do último sábado.

Os confrontos regressaram hoje de manhã às ruas de Paris, com a polícia reagir rapidamente contra os manifestantes, nomeadamente com gás lacrimogéneo e canhões de água.

A atuação policial parece revelar as ordens que os agentes receberam no sentido de evitar as cenas de guerrilha urbana registadas no passado fim-de-semana.

Houve um reforço policial significativo antecipando os protestos de hoje e antes do início da manifestação em Paris, a polícia já tinha detido centenas de pessoas.

Temendo a repetição dos tumultos na capital francesa, foram também reforçados os controlos nas estações e realizadas buscas sistemáticas junto aos locais de concentração.

Nas ruas do centro de Paris os comerciantes fecharam as lojas e desapareceu quase todo o mobiliário urbano, para que não possa ser usado como arma pelos manifestantes.

Ler mais
Recomendadas

Arábia Saudita e Emirados “preocupados” com eventual subida dos ‘stocks’ de petróleo

“Nenhum de nós quer ver os stocks novamente a aumentar, temos de ser cautelosos”, disse o ministro da Economia da Arábia Saudita, referindo-se à situação no final de 2018 que levou a uma quebra acentuada do preço do “ouro negro” no mercado internacional.

Europeias: Timmermans diz que socialistas nunca irão aliar-se à extrema-direita

O candidato dos socialistas europeus também defendeu a “redução da diferença salarial entre mulheres e homens, atualmente na ordem dos 16%”, bem como o estabelecimento “de salários mínimos” para toda a UE, que seriam fixados em 60% do salário médio verificado em cada Estado-membro.

Candidato conservador à presidência da Comissão Europeia defende medidas migratórias mais duras

Weber, que deseja suceder a Jean-Claude Juncker na liderança do executivo comunitário, enalteceu a diversidade do continente europeu, salientando, porém, que existe um aspeto que é comum na Europa: “É baseada no cristianismo e orgulhamo-nos disso”.
Comentários