CGD: objeto da nova comissão de inquérito é a atuação do Governo

Requerimento potestativo para a segunda comissão de inquérito parlamentar à Caixa Geral de Depósitos já foi entregue pelo PSD e CDS-PP na Assembleia da República.

Rafael Marchante/Reuters

O PSD e o CDS-PP querem centrar a segunda comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos (CGD) na atuação do atual Governo, de acordo com o requerimento potestativo apresentado esta sexta-feira. Os dois partidos da oposição querem investigar o papel do executivo de António Costa na nomeação e demissão de António Domingues para presidente do banco público.

A comissão de inquérito terá, assim, como objetivo “apreciar as negociações, direta ou indiretamente conduzidas pelo Governo, as condições e os termos de contratação da administração do Dr. António Domingues para a CGD”, de acordo com a primeira alínea do documento já entregue na Assembleia da República, citado pela agência “Lusa”.

O segundo objetivo é “apreciar a intervenção e responsabilidade do XXI Governo pela gestão e administração liderada pelo Dr. António Domingues” e terceiro é “apreciar os factos que conduziram à demissão do Dr. António Domingues e à saída efectiva da administração por si liderada”.

A referência às negociações do Governo para a contratação do presidente da CGD acontece depois da polémica das SMS entre o ministério das Finanças e António Domingues. A oposição apressou-se, no entanto, a afastar qualquer possibilidade de querer “bisbilhotar” as mensagens. “A verdade não é um problema de bisbilhotice e nenhuma birra pode ser confundida com a procura da verdade”, disse Luís Montenegro numa conferência de imprensa.

O PSD e o CDS usam, assim, o direito potestativo para tornar obrigatória a constituição de uma nova comissão parlamentar de inquérito à CGD, depois da demissão do presidente da anterior comissão. Os partidos da esquerda recusaram a análise das comunicações entre Mário Centeno e António Domingues. “Se a CGD está na ordem do dia pelos piores motivos, isso não é responsabilidade de PSD e CDS-PP”, afirmou o social-democrata.

“Nós não abdicamos da nossa capacidade de poder efetuar este trabalho [de escrutínio do Executivo] a bem daquilo que é o equilíbrio político do nosso sistema político e da exigência que os portugueses têm de saber a verdade”, salientou Montenegro.

O líder da bancada parlamentar do PSD criticou ainda a atuação do presidente da Assembleia da República, tendo classificado o comportamento de Ferro Rodrigues como “muito infeliz até ao momento”. “Barrar os direitos dos deputados” traduz-se em “condenar à morte a capacidade investigativa da Assembleia da República”, disse.

Emídio Guerreiro, deputado do PSD e ex-secretário de Estado do Desporto e Juventude, será o presidente da comissão parlamentar à CGD, depois da demissão de José de Matos Correia. O ex-presidente da CGD demitiu-se do cargo denunciando uma “tentativa sistemática” dos partidos que apoiam o Governo em funções de “limitarem o objeto da comissão, de sistematicamente tentarem esvaziar o objecto da comissão”.

Ler mais
Relacionadas

Secretários de Estado e dirigentes do fisco vão ao Parlamento

Paulo Núncio e Rocha Andrade ouvidos na próxima semana sobre a fuga de 10 mil milhões para offshores.

Polémica CGD: Direita contesta Ferro Rodrigues e Marcelo tenta acalmar os ânimos

Marcelo Rebelo de Sousa quer ouvir Ferro Rodrigues em Belém a propósito da tensão crescente entre a direita e o número dois do Estado português. No olho do furacão, está o processo da Caixa Geral de Depósitos (CGD).

PSD admite chamar Costa à nova comissão de inquérito da Caixa

O líder da bancada social-democrata, Luís Montenegro, afirma que o partido “vai até ao fim” e refere ainda que não via mal se o ministro das Finanças deixasse as funções.
Recomendadas

Máximo dos Santos defende papel do BdP na aplicação das medidas de resolução aos bancos pequenos

O Banco de Portugal organizou ontem de manhã, em Lisboa, um evento dedicado ao planeamento de resolução de instituições classificadas de menos significativas e das instituições que não estão abrangidas pelo âmbito do Mecanismo Único de Resolução. Juntou 28 instituições de crédito e empresas de investimento e a APB.

António de Sousa passa avaliação de idoneidade

Ex-presidente da Caixa, atualmente gestor do fundo ECS, passou no exame de idoneidade do supervisor a antigos administradores do banco público que continuam ligados ao setor financeiro.

FMI recomenda que Parlamento dê ouvidos aos supervisores na reforma da supervisão financeira

“Os três supervisores setoriais nacionais levantaram preocupações legítimas em relação ao projeto de lei e que merecem uma ponderação cuidadosa no Parlamento antes que este projeto de lei seja aprovado e convertido em lei”, lê-se no comunicado da equipa técnica do FMI que esteve em visita a Portugal.
Comentários