Chernobyl como nunca viu e contado por quem o viveu

Um ex-trabalhador diz a série capta, com grande precisão, o clima e as emoções nos momentos que se seguiram à explosão. “A catástrofe é descrita de uma forma bastante poderosa, como uma tragédia global que afetou um grande número de pessoas”, explicou à BBC.

Conquistou o público e retrata um evento real que aconteceu em 1986. A série “Chernobyl” da plataforma de streaming HBO tem a avaliação mais alta de um programa de multimédia, com 9,5 estrelas num total de 10 estrelas, com base no site IMDB.

O programa produzido pela HBO e Sky tem cinco episódios e retrata um dos piores desastres nucleares da história mundial: a explosão do reator número quatro da central elétrica de Chernobyl, que se encontrava sob domínio da URSS aquando o acontecimento.

Apesar da série protagonizada pelo ator Stellan Skarsgård parecer real em todos os momentos, em determinados minutos dos cinco episódios há momentos que foram criados por Craig Mazin.

Oleksiy Breus trabalhou na central elétrica, nomeadamente, na sala de controlo do reator quatro quando se deu a explosão, a 4 de abril de 1986. O ex-trabalhador revelou à “BBC” ucraniana que quando se deu a explosão, uma nuvem de material radioativo atingiu outras partes da União Soviético, com grande destaque para a Rússia e Bielorrússia.

“Quando vi o que estava a acontecer, fiquei surpreendido por eles terem nos levarem até lá. O reator parecia tão danificado que não havia nada a fazer”, disse Breus a esta estação televisiva.

De acordo com o ex-trabalhador, a série capta com grande precisão o clima e as emoções nos momentos que se seguiram à explosão que matou 31 pessoas e outros milhares devido à exposição permanente a que foram alvos. “A catástrofe é descrita de uma forma bastante poderosa, como uma tragédia global que afetou um grande número de pessoas”, explicou.

No entanto, Breus critica como o criador da aclamada série retratou Viktor Bryukhanov, diretor de Chernobyl, retratado por Con O’Neill, o engenheiro-chefe Nikolai Fomin, retratado por Adrian Rawlins, e o engenheiro-chefe adjunto Anatoly Dyatlov, protagonizado por Paul Ritter. “As personagens estão distorcidas e deturpadas, como se fossem vilões. Eles não eram assim”, afirma.

Falando de Dyatlov, Breus revela que “os trabalhadores tinham medo dele. Mas, por mais rigoroso que fosse, ele era um profissional de alto nível”, sublinhou. Em julho de 1987, os três homens foram considerados culpados de violação dos regulamentos de segurança, criando as condições que levaram à explosão na central.

Apesar de muitas situações retratadas não serem bem verdade e de algumas personagens serem apenas uma homenagem aos cientistas, o antigo operário elogiou a forma como a série mostrou os efeitos que as vítimas sofreram. “Muitas pessoas falaram sobre a exposição à radiação, pele vermelha, queimaduras de radiação e queimaduras de vapor, mas nunca tinham sido mostradas assim”.

Apesar de Breus assumir alguns estereótipos na série, o desastre afetou mais de 3,5 milhões de pessoas. Devido à radiação mais de cinco mil pessoas foram diagnosticadas com cancro, apesar da maioria se encontrar curada, segundo a ONU.

Ler mais
Relacionadas

Chernobyl foi há 33 anos mas turismo disparou por causa da HBO

Com o despertar de curiosidade de alguns viajantes, uma guia turística viu a oportunidade ideal para ganhar com os seus conhecimentos. “É possivelmente o último local onde ainda se sente o ambiente da URSS”, realça esta guia.
Recomendadas

Broa de milho portuguesa entre os 50 melhores pães do mundo para a CNN

No artigo, a broa de milho é descrita como um pão saudável, peneirado, amassado numa calha de madeira e tradicional do norte de Portugal.

Tudo por um ‘like’. Instagramers aproveitam motins nas ruas de Barcelona

Protestos violentos nas ruas catalãs serviam como fonte de inspiração de alguns influencers para obterem mais ‘likes’ nas suas contas do Instagram. Num momento de tensão nas ruas de Barcelona, as publicações foram criticadas por vários catalães.

PróToiro promete “diálogo civilizado e construtivo” com ministra que “sempre hostilizou o setor tauromáquico”

“Exageros do passado” de Graça Fonseca não foram esquecidos pela Federação Portuguesa de Tauromaquia, igualmente apreensiva com o peso que “partidos de matriz proibicionista” irão ter na Assembleia da República.
Comentários