China anuncia mais benefícios fiscais para empresas estrangeiras

O investimento exterior direto na China aumentou 9,8%, nos primeiros onze meses do ano, para 803.620 milhões de yuan (103.000 milhões de euros), segundo dados oficiais.

O Governo chinês anunciou hoje um programa de benefícios fiscais para as empresas estrangeiras que reinvistam os seus lucros no país, depois de os Estados Unidos terem aprovado também mudanças na sua legislação fiscal.

As firmas estrangeiras passam a estar isentas de impostos sobre os lucros, caso estes sejam investidos em 348 setores selecionados pelo Governo chinês. A isenção será aplicada de forma retroativa a 01 de janeiro de 2017.

Analistas citados pelo jornal de informação económica Caixin consideram que a medida é uma resposta de Pequim à reforma fiscal aprovada recentemente pelo Congresso dos EUA, e que inclui incentivos para atrair investimento externo.

Pequim quer “atrair investimento estrangeiro depois de uma série de países anunciarem medidas semelhantes para fomentar o investimento doméstico e estrangeiro”, escreveu a agência noticiosa oficial Xinhua.

A medida do Governo chinês abrange o investimento em setores como energia solar e eólica, agricultura biológica e outros em que a China está a tentar desenvolver as suas capacidades tecnológicas.

Não é ainda claro se a isenção fiscal conseguirá influenciar as decisões de investimento em indústrias emergentes nas quais as empresas estrangeiras se queixam de falta de acesso em diversas áreas ou de pressão para transferirem tecnologia a potenciais concorrentes chineses, em troca de acesso ao mercado.

No ‘ranking’ da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), que avalia a abertura ao investimento direto estrangeiro, a China ocupa o 59.º lugar, entre 62 países.

Ler mais
Relacionadas

China abre setor financeiro ao investimento externo

Os investidores estrangeiros esperavam há muito tempo a medida: empresas internacionais poderão ser acionistas maioritárias de bancos, seguradoras ou fundos no país.

A partir de quinta-feira é possível ficar seis dias em Pequim sem apresentar visto

Medida abrange turistas de 53 países, entre os quais Portugal. Vai facilitar a criação de um “corredor económico” entre Pequim, Tianjin e Hebei, que competirá com os grandes centros económicos de Xangai, Cantão e Hong Kong.
Recomendadas

Turismo do Norte: viciação de contratos terá lesado o Estado em 5 milhões de euros

Em causa estarão ajustes diretos realizados nos últimos dois, três anos, que somados ultrapassam os cinco milhões de euros.

Bolsa nacional escapa a ‘maré vermelha’ europeia

Se NOS e Galp Energia impulsionaram a sessão de hoje do PSI20, destaque ainda para a Sonae (valorizou 1,26% para 84,7 cêntimos) e para a Navigator (cresceu 0,76% para 4,25 euros).

Governo aprova benefícios fiscais para investimentos de 400 milhões de euros

Investimentos representam 390 milhões de euros e a criação de postos de trabalho.
Comentários