China e Estados Unidos afogam Wall Street em onda vermelha

No índice tecnológico Nasdaq, apenas dois títulos fecharam em terreno positivo. A história agravou-se no industrial Dow Jones onde apenas uma cotada sobreviveu à fúria vermelha que abalou a bolsa norte-americana.

Reuters

Os três maiores índices dos Estados Unidos fecharam com quedas superiores aos 2%, depois do ministro das finanças chinês ter anunciado que vai aplicar tarifas adicionais sobre os produtos norte-americanos, que podem chegar até aos 10% e entram em vigor no primeiro dia de setembro. O anúnico surge em resposta às taxas impostas pelo Presidente norte-americano, Donald Trump, que já prometeu reagir ao contra-ataque da China, intensificando, desta forma, guerra comercial entre as duas superpotências.

O dia foi marcado ainda pelo confronto entre Donald Trump e Jerome Powell, presidente do Fed, depois deste ter comentado a situação entre os dois países e de não ter anunciado uma descida das taxas de juros. Trump fez-se valer da sua conta oficial no Twitter e não poupou Powell.  “A minha única questão é, quem é o maior inimigo do nosso país, Jay Powell ou o presidente Xi [Jinping]?”, questionou Trump nos vários ‘tweets’ do presidente norte-americano na rede social.

O S&P 500 caiu 2,56% para 2.848,20 pontos, o Dow Jones Industrial Average desvalorizou 2,37% para 25.628,90 pontos e o tecnológico Nasdaq tombou 3,15% para 7.465,00 pontos.

O dia acabou manchado a vermelho no S&P500 com apenas nove títulos a fechar no verde. Entre estes, a empresa de softwares Salesforce.com (+2,19%), a mineira Newmont Goldcorp (+2,16) e a companhia de programas informáticos Intuit (+1,10%) compõem o top três da curta lista verde do índice.

No lado das perdas, a Foot Locker teve o pior desempenho do dia. As ações da marca de desporto desvalorizaram 18,92% depois dos resultados trimestrais terem desiludido os investidores. A também marca de retalho L Brands tombou 9,31% e ganhou o segundo lugar da lista vermelha do índice. Seguiu-se a Hasbro (-8,94%), a AMD (-7,40%) e a Keysight Technologies (-7,13%). No total, mais de 30 cotadas registaram quedas superiores aos 5% no encerramento da sessão de hoje, 23 de agosto.

Se o dia não foi simpático para o S&P 500, o industrial Dow Jones viu apenas um título a fechar no verde. A Boing foi a única coada que resistiu à turbulência da bolsa e fechou com uma valorização de 0,52%.

A Apple ganhou a medalha vermelha do índice com uma queda de 4,62%. A Intel (-3,89%) e a American Express (-3,65%) completaram o pódio negativo do Dow Jones. Outros 11 títulos registaram quedas superiores aos 3%, com empresas como a Nike, a Walt Disney, a Microsoft, a Cisco e o Goldman Sachs a ingressar essa lista.

O tecnológio Nasdaq também não se viu livre da onda vermelha que invadiu Wall Street. Das 100 cotadas que compõem este índice, apenas duas fecharam em terreno positivo. A NetEase (+0,05%) e a Intuit (+1,10%) foram as únicas sobreviventes do dia.

No lado das perdas, a Hasbro (-8,94%), a AMD (-7,40%), a Alexion (-6,61%), a Microship (-5,58%) e a Broadcom (-5,39%) foram as que tiveram o pior desempenho da sessão.

Ler mais

Recomendadas
Guerra Comercial EUA-China

“Die Hard”, versão Wall Street

Foi dado a conhecer que as restrições sobre relações comerciais entre as empresas norte-americanas e a Huawei foram de novo adiadas por noventa dias.

Ações do Benfica disparam mais de 70% após anúncio de OPA

As ações do emblema da Luz dispararam poucas horas depois da Sport Lisboa e Benfica SGPS ter lançado uma oferta pública e parcial de ações da SAD do clube, com uma contrapartida de 5 euros por ação para adquirir 28,06% que não detém.

BCP impulsiona PSI 20 que acompanha tendência altista da Europa

Em Lisboa, nove empresas cotadas valorizam, oito desvalorizam e uma negoceia sem variação.
Comentários