China proíbe a realização de eventos desportivos internacionais até ao final deste ano

Jogadores internacionais, treinadores e árbitros em ligas desportivas chinesas, incluindo a Super Liga Chinesa de futebol (CSL – sigla em inglês), onde atuam alguns portugueses, foram incentivados a não voltar ao país por enquanto.

O governo chinês anunciou que o país não vai receber a maioria dos eventos desportivos internacionais planeados para 2020, colocando em dúvida eventos como o Grande Prémio de Fórmula 1 em Xangai e as finais do WTA (ténis feminino) em Shenzhen. A mudança foi anunciada no plano para a retoma do desporto no país publicado pela Administração Geral do desporto chinesa, segundo o “SportBusiness”.

Jogadores internacionais, treinadores e árbitros em ligas desportivas chinesas, incluindo a Super Liga Chinesa de futebol (CSL – sigla em inglês), onde atuam alguns portugueses (jogadores e treinadores), foram incentivados a não voltar ao país por enquanto.

O governo abriu uma exceção para um pequeno número de eventos, como por exemplo o teste dos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim em 2022 “e outros eventos importantes”. As autoridades chinesas acrescentam que “em princípio, nenhum outro evento desportivo internacional será realizado este ano”.

Em junho, o chefe do departamento de desporto de Xangai disse que a Fórmula 1 estava a considerar realizar duas corridas na cidade ainda em 2020, algo que a “Sky” acabou por revelar “acidentalmente” dizendo que existia um plano em curso para a realização do Grande Prémio de Fórmula 1 em Xangai no dia 8 de novembro.

A Associação de Ténis Feminino (ATF) lançou um calendário provisório para o que resta de 2020, com seis torneios na China, incluindo as finais em Shenzhen, de 9 a 15 de novembro.

Vários torneios de golfe devem também ser afetados, incluindo o Campeonato Mundial de Golfe em Xangai, de 29 de outubro a 1 de novembro, o Buick LPGA Shanghai de 15 a 18 de outubro e o Rolex Shanghai Masters de 11 a 18 de outubro. A “Reuters” informou que a LPGA disse que está em conversações com os seus parceiros da IMG, a agência de marketing desportivo e a Associação de Golfe da China para entender o impacto das novas restrições.

O desporto doméstico chinês já recomeçou, com a liga de basquetebol da CBA a retomar a sua temporada de 2020 no mês passado (junho), enquanto que o CSL deve recomeçar no final de julho. Nas duas ligas, as partidas acontecem à porta fechada e disputam-se apenas em duas cidades designadas por cada competição.

As autoridades chinesas também disseram que os encontros da liga nacional poderão ser reabertos aos espectadores de forma gradual, embora com regras muito estritas sobre quem pode ser admitido. As regras exigem que os espectadores testem negativo para o Covid-19 nas 48 horas anteriores ao evento e se isolem. Os locais podem ser abertos com capacidade máxima de 50%.

Ler mais
Recomendadas

Dos 549 milhões para o PIB aos 150 milhões em impostos. Quanto pesa a indústria do futebol em Portugal? Amanhã há “Jogo Económico”

A nova edição do Anuário do Futebol Profissional Português, uma parceria entre a Liga Portugal e a EY, regista o contributo total desta indústria para o PIB português, as receitas geradas pelas 32 SAD e os impostos arrecadados pelo Estado português a partir do futebol. Não perca o debate esta sexta-feira às 19h00.

Arsenal quer despedir 55 trabalhadores mas paga a Mesüt Özil 388 mil euros por semana em salários

O clube londrino comunicou a sua decisão de continuar com um processo de reestruturação que considera necessário. Adeptos e jogadores não ficaram contentes.

AS Roma vai ter novos donos. Negócio próximo de 600 milhões de euros

O acordo anunciado termina definitivamente o envolvimento de Jim Pallotta no clube que, nos últimos meses, já tinha demonstrado o interesse em abandonar o projeto, depois dos planos para a construção de um novo estádio terem ficado paralisados.
Comentários