China promete tomar “medidas necessárias” para proteger empresas do país

O Ministério do Comércio chinês anunciou hoje que vai “tomar as medidas necessárias para proteger as empresas” chinesas, um dia depois dos Estados Unidos proibirem a venda de componentes ao grupo de telecomunicações ZTE.

Ler mais

“A China vai tomar as medidas necessárias para proteger os direitos e interesses das empresas legítimas” chinesas, garantiu, em comunicado, o Ministério.

Washington deve ser capaz de criar “um ambiente justo, equitativo e estável para as empresas chinesas”, indicou o documento.

O Ministério lembrou que a ZTE “tem uma ampla cooperação comercial e de investimentos com centenas de empresas norte-americanas, criando dezenas de milhares de empregos nos Estados Unidos”.

A empresa lesada já fez saber que está a avaliar “toda a gama de possíveis implicações” decorrentes do embargo, preparando-se agora para “responder proativamente às consequências”.

Um dia depois da decisão de Washington, a cotação das ações da empresa de telecomunicações foi suspensa na bolsa de valores de Hong Kong.

Na segunta-feira, as autoridades norte-americanas decidiram pôr fim às exportações de componentes destinadas ao grupo chinês ZTE, devido a declarações fraudulentas num inquérito sobre a investigação ao embargo imposto ao Irão e à Coreia do Norte.

A suspensão das exportações significa que a ZTE vai deixar de receber componentes para os integrar nos seus produtos.

Relacionadas

EUA proíbem venda de equipamentos à empresa chinesa ZTE

Proibição é válida por sete anos e surge como resposta ao incumprimento dos termos de um caso de violação das sanções norte-americanas pela ZTE na venda ilegal de produtos de tecnologia para o Irão.
Recomendadas

‘Make America Great Again’. Fábrica que produz boné de Trump tem 80% de latinos

O chapéu que Donald Trump disseminou pelo país é um ícone da presidência. A ‘Business Insider’ foi visitar a fábrica, onde trabalham dezenas de latinos.

Quem quer afastar Theresa May? Conservadores britânicos conspiram contra a própria primeira-ministra

Parte do partido quer a saída de Thera May mal o Brexit aconteça (em março de 2019). Um documento interno elenca os principais candidatos à sucessão, onde, em lugar de destaque, está o atual ministro para o Brexit, Dominic Raab.

Bolsonaro seria um “desastre” como presidente, diz a ‘The Economist’

Em reportagem de capa, a revista compara o candidato do PSL a Trump, nos Estados Unidos, e a Rodrigo Duterte, nas Filipinas, e diz que sua admiração por ditadores é “preocupante”.
Comentários