China rejeita diálogo sobre guerra comercial enquanto Trump mantiver ameaça de novas tarifas

Num documento publicado na agência de notícias estatal Xinhua, a China diz que as negociações precisariam de um “ambiente de respeito mútuo”. As mais recentes tarifas impostas por Trump às importações chinesas entraram em vigor esta segunda-feira.

A China afastou esta segunda-feira um cenário de conversações com os Estados Unidos sobre a guerra comercial entre os dois países. Num white paper (documento de estratégia) publicado na agência de notícias estatal Xinhua apenas uma hora após a entrada em vigor das mais recentes tarifas impostas por Donald Trump às importações chinesas, avaliadas em 200 mil milhões de dólares, a China explicou que o entrave são a ameaça de novas tarifas.

“A porta para conversações comerciais está sempre aberta mas as negociações têm de ocorrer num ambiente de respeito mútuo… e não sob a ameaça de tarifas”, refere o documento, citado pela agência Bloomberg.

A China já afirmou que irá responder com a imposição de tarifas no valor de 67 mil milhões de dólares, mas Trump disse há duas semanas que essa retaliação poderá provocar novas medidas norte-americanas: mais tarifas, e no valor de 267 mil milhões de dólares.

Relacionadas

Estados Unidos prometem manter guerra comercial contra a China até vencerem

O secretário de Estado norte-americano Mike Pompeo prometeu que a administração Trump irá manter as políticas comerciais agressivas em relação à China, e está convencido que os americanos vão vencer a guerra.
Guerra Comercial EUA-China

China cancela negociações comerciais e não vai deslocar-se até Washington

Pequim tinha preparado uma delegação para se deslocar à capital dos EUA na próxima semana, revelaram fontes próximas à “Bloomberg. O “Wall Street Journal” também já havia dado conta que a China tinha posto de lado a ideia de enviar o vice-primeiro-ministro Liu He, integrado na delegação.
Recomendadas

Um ministro das Finanças e um orçamento comum, as receitas de Blanchard para a Zona Euro

O antigo economista-chefe do FMI traçou o caminho para uma política monetária e orçamental mais coordenada para a zona euro. Além da criação de um posto de ministro das Finanças, Olivier Blanchard disse que é essencial agilizar as políticas sobre o défice e sugeriu um orçamento comunitário comum.

Governo estuda emissão de obrigações para empresas industriais

O Governo está a estudar lançar emissões de obrigações agrupadas para vários setores, nomeadamente o industrial, depois de anunciar hoje uma operação destinada a empresas de turismo, de acordo com o ministro Adjunto e da Economia.

“A economia está a arrefecer”, alerta banco central da Alemanha 

O Bundesbank, banco central alemão, considerou esta segunda-feira que a economia da Alemanha está a abrandar após um período de grande prosperidade, mas espera uma estabilização no segundo semestre do ano.
Comentários