China retalia Estados Unidos com tarifas de 60 mil milhões de dólares

A decisão surge horas depois de a Casa Branca dizer que os Estados Unidos da América iriam impor taxas alfandegárias às importações chinesas no valor de 200 mil milhões de dólares (aproximadamente 171 mil milhões de euros).

A China anunciou esta tarde a retaliação – já revelada nas entrelinhas pelo Ministério do Comércio chinês – as taxas aduaneiras anunciadas por Donald Trump a produtos de Pequim com tarifas de 60 mil milhões de dólares (cerca de 51 mil milhões de euros) sobre as importações norte-americanas. Os novos impostos irão abranger produtos como café ou aeronaves.

A semana arrancou com a notícia da Casa Branca de que os Estados Unidos da América (EUA) iriam impor taxas alfandegárias às importações chinesas no valor de 200 mil milhões de dólares (aproximadamente 171 mil milhões de euros). As tarifas vão começar em 10% e subir para 25%, a partir de 01 de janeiro.

Esta decisão significa uma escalada na guerra comercial entre os EUA e a China e um aumento de preços nos preços de consumo nos EUA, que vão desde as malas de mão aos pneus de bicicleta.

Relacionadas

Wall Street abre no verde, após confirmação da imposição de tarifas comerciais à China

A China tem dito que vai retaliar com a aplicação de tarifas em 60 mil milhões de dólares de produtos norte-americanos. Nesta lista, os smartwatches e os aparelhos Bluetooth foram removidos da lista. A Apple vê então salvos alguns dos seus produtos entre os quais o AirPods e o Apple Watch”, diz o analista do BCP. As ações da Apple estão a subir 1,44%.

Fundador do Alibaba diz que guerra comercial EUA-China “vai ser uma confusão” e poderá durar 20 anos

A guerra comercial entre os EUA e a China poderá durar 20 anos e ter um maior impacto do que muitas pessoas pensam, avisa Jack Ma, fundador e presidente executivo do Alibaba, o maior portal de comércio eletrónico da China.
Recomendadas

“Vamos assistir à terceirização do e-commerce”, afirma presidente da ACEPI

O presidente da ACEPI, Alexandre Nilo Fonseca, considera que o ramo alimentar, “que até agora tem estado um bocadinho afastado do digital”, vai assistir a uma evolução no comércio ‘online’.

União Europeia facilita compras digitais mas Portugal falha prazo

“A Comissão está a acompanhar de perto a situação e em breve decidiremos as próximas medidas para garantir que todos os Estados-membros cumprem as suas obrigações”, diz Nathalie Vandystadt, porta-voz de Bruxelas.

Governo de Angola espera recessão de 1,7% em 2018

Ministro da Economia e Planeamento angolano referiu que depois de contrações de 2,6% e 0,1% em 2016 e 2017, respetivamente, a economia angolana deve ter aprofundado a queda no ano passado.
Comentários