Chineses passam quarentena em habitações de vistos gold

Os cidadãos estão a ser colocados em imóveis que acolhem entre 40 e 50 pessoas, estando estas isoladas nos quartos. As casas foram cedidas por cidadãos chineses, cujos imóveis estão vazios mas foram adquiridos no programa dos ‘vistos gold’.

A organização Liga dos Chineses em Portugal está a pedir aos cidadãos chineses que venham da China que fiquem isolados, por precaução, avança a TSF. A associação está a fazer o pedido a todos os cidadãos provenientes do país, mesmo que não sejam da cidade de Wuhan, ficando estes em habitações adquiridas no programa dos ‘vistos gold’.

No entanto, a publicação sustenta que como muitos vivem com a família ou com pessoas com quem trabalham, torna-se difícil realizarem a quarentena nas suas próprias habitações. O centro de apoio à comunidade chinesa, criado pelo seu próprio governo e por associações em Portugal, está à procura de casas onde os cidadãos possam fazer o processo de isolamento sozinhos, e com a entrega de alimentos garantida.

O presidente da organização, Y Ping Chow, explicou à “TSF” que conseguiram algumas casas de grande dimensão na região de Lisboa, cuja capacidade dá para albergar entre 40 e 50 pessoas, dividindo os cidadãos por quartos isolados. Estas casas foram cedidas por cidadãos chineses, cujos imóveis estão vazios mas foram adquiridos no programa dos ‘vistos gold’

Chow adianta que estas habitações já se encontram lotadas, mas que existem mais cidadãos a chegar a Portugal. De Coimbra surgiu um pedido de ajuda para encontrar um imóvel que receba os estudantes chineses que vão chegar agora para ingressar no segundo semestre.

Recomendadas

Produção industrial em Itália cai 2,4% em fevereiro

Em termos homólogos, a produção industrial subiu em bens de capital (1,4%) e baixou a de bens de consumo (3%), a de bens intermédios (2,3%) e a de energia (0,6%).

Leia aqui o Jornal Económico desta semana

A edição digital do Jornal Económico vai estar disponível gratuitamente durante as próximas semanas, devido à situação de emergência nacional causada pela epidemia de Covid-19. Desta forma, todos os leitores continuarão a ter acesso ao Jornal Económico.

Défice da balança comercial aumentou para 1.547 milhões de euros em fevereiro

Tanto as importações como as exportações aumentaram no segundo mês do ano devido à subida do comércio intra-União Europeia, segundo o INE.
Comentários