Cimeira da NATO arranca com acusações de Trump sobre incumprimento dos parceiros

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, já aterrou na capital belga para marcar presença na cimeira da NATO e, ainda a bordo do avião, acusou os parceiros da aliança militar de incumprimento nas despesas.

Ler mais

Os chefes de Estado dos diferentes Estados-membros da NATO vão marcar presença esta quarta-feira naquela que será uma das cimeiras mais importantes dos últimos anos. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, já aterrou na capital belga e, ainda a bordo do avião, acusou os parceiros da aliança militar de incumprimento nas despesas.

Donald Trump chegou a bordo do avião presidencial Air Force One esta manhã. Durante a viagem, o republicano aproveitou para fazer várias acusações contra os seus parceiros da NATO, à semelhança do que aconteceu com os parceiros europeus na cimeira do G7. Na sua conta oficial do Twitter, Donald Trump escreveu que “os países da NATO têm de pagar MAIS e os Estados Unidos pagar MENOS”.

“Muitos países da NATO, que é suposto nós defendermos, não só não cumprem o seu compromisso de 2% (que é baixo), como se mantêm há muitos anos delinquentes dos pagamentos que nunca fizeram. Vão reembolsar os Estados Unidos?”, questionou o presidente norte-americano.

As declarações do presidente surgem numa altura particularmente tensa no que toca às relações comerciais entre os Estados Unidos e a União Europeia (UE).

A imprevisibilidade do presidente norte-americano faz temer um novo confronto com os restantes Estados-membros, sobre a questão das verbas da defesa. Os Estados-Unidos, Reino Unido, Grécia e Estónia são os únicos países que atingem os 2% de despesa militar acordados. A Lituânia, Letónia, a Polónia e a Roménia devem juntar-se ao grupo.

Portugal está incluído na lista de países que não cumpre as metas de despesa estabelecidas. No ano passado, essa despesa foi de 1,24% do Produto Interno Bruto (PIB). Para este ano, é esperado que a despesa militar atinja 1,36%.

A marcar presença nesta cimeira vai estar também o primeiro-ministro português, António Costa, que estará acompanhado dos ministros dos Negócios Estrangeiros e da Defesa. Além da questão da partilha de custos, estão ainda em discussão temas como a adaptação da estrutura de comandos da NATO, a luta contra o terrorismo, a defesa cibernética, a iniciativa da prontidão, ou a adesão à Aliança da República da Macedónia do Norte à NATO.

Relacionadas

União Europeia tenta salvar cimeira da NATO do regresso às contas de mercearia

Há um ano, a cimeira da organização ficou marcada pela insistência de Trump para que os europeus pagassem a sua parte da defesa comum. O presidente norte-americano já voltou ao tema, mas a União Europeia diz que está a fazer a sua parte.

Trump vai encontrar-se com Putin em Helsínquia a 16 de julho

O encontro acontece um dia depois da final do Campeonato do Mundo de Futebol e, por enquanto, ainda os tópicos em cima da mesa ainda não estejam fechados.

Estados Unidos e Portugal assumem compromisso de subir despesas com a NATO

Ler mais O secretário de Estado norte-americano e o ministro dos Negócios Estrangeiros português reafirmaram quinta-feira o compromisso de reforçar as despesas com a NATO e a segurança europeia na energia, assim como enfrentar as ações destabilizadoras da Rússia. A informação foi prestada pelo porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Heather Nauert. “O secretário [de […]
Recomendadas

Marcelo Rebelo de Sousa reúne-se com Guterres no domingo e discursa quarta-feira na ONU

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vai encontrar-se com o secretário-geral das Nações Unidas (ONU), António Guterres, no domingo, em Nova Iorque, onde irá discursar na 73.ª sessão da Assembleia Geral desta organização, na quarta-feira.

OPEP reduz produção de petróleo face à queda da oferta iraniana devido às sanções dos EUA

Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) baixou a produção de petróleo no mês de agosto, já que as medidas norte-americanas arruinaram a tentativa de elevar a produção para os níveis acordados.

Vaticano e China assinam acordo para a nomeação de bispos católicos romanos

O acordo conjunto foi alcançado este sábado, 22 de setembro, sobre a nomeação de bispos católicos romanos, embora alguns críticos afirmem que o mesmo é vendido ao governo comunista.
Comentários