PremiumCimeira de investidores voltou a Lisboa mas startups querem Silicon Valley

Nuno Fonseca, CEO da Sound Particles, criou a empresa em Leiria, mas, neste momento, 60% dos clientes são da Califórnia. O empresário português considera que as startups devem abrir horizontes e olhar para o “mercado global”.

Lisboa foi novamente palco da cimeira de investidores em capital de risco. Empreendedores, venture capitalists e mundo corporate juntaram-se entre os dias 6 e 7 de junho na Cordoaria Nacional para, informalmente, unir esforços e melhorar oportunidades de financiamentos. A Lisbon Investment Summit recebeu mais de 200 investidores, 750 startups, e 400 executivos de empresas de grandes dimensões, que se reuniram nos clássicos puffs no chão e entre mensagens de parede como “Aprende com os disruptores” e “Encontra o teu investidor de sonho”.

A Euronext aproveitou a ocasião para aliciar mais empresas tecnológicas a tornarem-se públicas. O grupo pan-europeu que gere a Bolsa de Lisboa considera que as empresas mais jovens devem optar por um IPO (Oferta Pública Inicial) se quiserem ganhar visibilidade e credibilidade, financiamento, diversificação da estrutura acionista, liquidez e evitar que os investidores se apoderem da empresa, preservando o controlo da mesma. “O mercado de capitais é a Liga dos Campeões. Só pelo facto de uma empresa estar cotada aumenta significativamente a sua legitimidade e a forma como os clientes olham para ela”, defendeu Filipa Franco, head of listing da Euronext, acrescentando que há vários casos de empresas ainda em early stage que se juntaram a estas praças financeiras da Europa.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

PremiumNovo Banco vende terrenos da Matinha por 140 milhões

Terrenos não estavam incluídos em nenhuma carteira de malparado do Novo Banco.

PremiumCiclo de crescimento mundial entra na última fase

BlackRock aconselha investidores a continuarem ‘overweight’ nos próximos 18 meses. Em 2021, a economia mundial deverá entrar em recessão.

PremiumLuísa Augusto: “Os ciberataques estão a mudar diariamente”

A ‘associate director’ da Accenture Technology explica como a tendência tecnológica “Secure Us to Secure Me” é uma das que as organizações devem considerar para serem bem-sucedidas.
Comentários