Cimeira ibérica de amanhã centrada nas relações fronteiriças

A cimeira ibérica de Valladolid marca estreia de Pedro Sánchez na qualidade de primeiro-ministro de Espanha.

Miguel A. Lopes / Lusa

A cimeira ibérica que se irá realizar amanhã, dia 21 de novembro, em Valladolid, entre os prmeiros-ministros de Portugasl, antónio Costa, e de Espanha, Pedro Sánchez, deverá ser marcada pelas questões fronteiriças.

Apesar de não ser publicamente conhecida a agenda oficial da cimeira, o reforço das ligações fronteiriças entre os dois países ibéricos, ao nível dos transportes e das infraestruturas logísticas e de transportes, em particular no segmento ferroviário, deverá dominar as atenções deste encontro os dois chefes de governo.

O enfoque deverá ser dado a uma estratégica comum para inverter o despovoamento das regiões raianas entre os dois países.

O reforço das ligações fronteiriças entre Portugal e Espanha também deverá se discutido no âmbito das ligações energéticas e no setor do ambiente.

Neste último capítulo, destaque para as pressões, do lado português, para cessar a atividade e a emissão de poluentes por parte da centeal nuclear de Almaraz, assim como a a cada vez mais polémica questão dos transvases e da poluição crescente do caudal do Tejo, junto à fronteira com Espanha.

Esta cimeira ibérica marca também a estreia de Pedro Sánchez, na qualidade de primeiro-ministro de Espanha.

A última cimeira ibérica decorreu em maio, em Vila Real, Trás-osMontes, tendo sido a última que António Costa teve como interlocutor Mariano Rajoy, cujo partido foi afastado do poder em Espanha.

 

 

Ler mais
Recomendadas

Vieira da Silva: Atrasos nas pensões serão resolvidos “nos próximos meses”

O governante falava aos jornalistas à margem da cerimónia de lançamento da nova aplicação móvel da Segurança Social Direta, no Instituto de Informática, em Oeiras.

Simulador de pensões na função pública estará pronto no início de 2019

“Estamos a finalizar” o simulador de pensões da Caixa Geral de Aposentações, disse Vieira da Silva,

Angola produziu 1,521 milhões de barris de petróleo por dia em novembro

Angola enfrenta desde final de 2014 uma profunda crise económica, financeira e cambial decorrente da forte quebra nas receitas petrolíferas.
Comentários