Cinco ex-ministros do Governo de Socrates serão constituídos arguidos no caso das PPP

António Mendonça, Paulo Campos, Mário Lino, Teixeira dos Santos, e Carlos Costa Pina, são os nomes envolvidos na investigação do negócio das Parcerias Público-Privadas.

Os dois antigos secretários de Estado, Carlos Costa Pina e Paulo Campos e os três ex-ministros, António Mendonça, Mário Lino e Teixeira dos Santos, vão ser constituídos arguidos na investigação do negócio das Parcerias Público-Privadas (PPP), segundo conta a revista “Sábado” esta quinta-feira.

A revista adianta também que a ordem já foi dada, em despacho, pela procuradora que investiga o caso, aos cinco ministros que fizeram parte do antigo Governo de José Sócrates.

De acordo com a “Sábado”, Almerindo Marques, antigo presidente da Estradas de Portugal, fez no passado dia 12 de abril um depoimento explosivo no processo, contando, por exemplo, como recebeu ordens para destruir documentos.

Neste artigo a “Sábado” fala também sobre o despacho do Ministério Público (MP), no qual é indicado a existência de crimes e que foram pagos 466 milhões de euros suspeitos, que dizem respeito a acordos para concessões rodoviárias efetuados entre 2009 e 2011.

Recomendadas

Associação Berardo vai contestar arresto de obras de arte na próxima segunda-feira

A Associação Coleção Berardo “vai ser ouvida em tribunal e, nessa altura, será o juiz a decidir se o arresto será levantado ou é mantido”, disse a mesma fonte sobre este processo interposto pelo Novo Banco, CGD e BCP, para recuperar uma dívida superior a 962 milhões de euros.

Worten apresenta queixa na PJ devido a SMS fraudulentos em seu nome

Recebeu um SMS em nome da Worten? Cuidado que pode ser fraudulento. Retalhista portuguesa alerta clientes que não devem facultar dados pessoais e já apresentou queixa à PJ.

Ministério Público quer Rui Rangel fora da Operação Marquês

Conselho Superior de Magistratura, que garantiu a existência de “mecanismos legais para assegurar a independência e a imparcialidade das decisões judiciais” e desafiou as entidades competentes a salvaguardar “a transparência e o bom funcionamento da Justiça”.
Comentários