Cinco ex-ministros do Governo de Socrates serão constituídos arguidos no caso das PPP

António Mendonça, Paulo Campos, Mário Lino, Teixeira dos Santos, e Carlos Costa Pina, são os nomes envolvidos na investigação do negócio das Parcerias Público-Privadas.

Os dois antigos secretários de Estado, Carlos Costa Pina e Paulo Campos e os três ex-ministros, António Mendonça, Mário Lino e Teixeira dos Santos, vão ser constituídos arguidos na investigação do negócio das Parcerias Público-Privadas (PPP), segundo conta a revista “Sábado” esta quinta-feira.

A revista adianta também que a ordem já foi dada, em despacho, pela procuradora que investiga o caso, aos cinco ministros que fizeram parte do antigo Governo de José Sócrates.

De acordo com a “Sábado”, Almerindo Marques, antigo presidente da Estradas de Portugal, fez no passado dia 12 de abril um depoimento explosivo no processo, contando, por exemplo, como recebeu ordens para destruir documentos.

Neste artigo a “Sábado” fala também sobre o despacho do Ministério Público (MP), no qual é indicado a existência de crimes e que foram pagos 466 milhões de euros suspeitos, que dizem respeito a acordos para concessões rodoviárias efetuados entre 2009 e 2011.

Recomendadas

Um ano de aplicação do regulamento de dados sem lei portuguesa para o executar

Portugal continua sem lei para executar o Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD), que cumpre hoje um ano de aplicação em toda a União Europeia, preparando-se o parlamento para aprovar o diploma nas próximas semanas.

Julian Assange acusado de 17 crimes nos Estados Unidos

Julian Assange encontra-se atualmente preso no Reino Unido depois de ter sido retirado da embaixada do Equador onde estava exilado.

Ana Gomes: “Fraude-carrossel desvia 50 mil milhões por ano do Orçamento Europeu”

Em declarações ao Jornal Económico, no âmbito da Conferência Internacional sobre Prevenção e Deteção do Branqueamento, a eurodeputada explicou as medidas que estão a ser tomadas pelas autoridades europeias no combate à fraude fiscal e ao branqueamento de capitais.
Comentários