Citigroup de olhos postos no Luxemburgo para evitar impacto de um ‘hard Brexit’

Embora não avance quantos postos de trabalho serão deslocados ou quantos serão criados no país, fonte do banco garante que o Citigroup está comprometido em “continuar a atender os seus clientes sem qualquer tipo de interrupção”.

O banco privado Citigroup, considerado pela revista Forbes como um dos maiores do mundo em termos de capitalização, está também a preparar-se para deixar o Reino Unido no caso das negociações do Brexit terminarem sem acordo e obrigarem o país a optar por um ‘hard Brexit’. O destino escolhido será o Luxemburgo, que de acordo com a empresa, tem “uma cultura empresarial estabelecida” e permitirá reforçar as filiais do banco norte-americano já existentes na Europa.

Ao jornal britânico ‘Financial Times’, o Citigroup confirmou a intenção de assegurar a prestação de serviços no mercado único através de um reforço corporativo no Luxemburgo. Embora não avance quantos postos de trabalho serão deslocados ou quantos serão criados no país, fonte do banco garante que o Citigroup está comprometido em “continuar a atender os seus clientes sem qualquer tipo de interrupção”.

O banco havia dito em julho que iria focar as suas operações em Frankfurt e iria fazer da cidade alemã o seu centro financeiro na União Europeia. O CEO do Citigroup na Europa, Médio Oriente e África, Jim Cowles, disse também na altura que as equipas do grupo continuariam a estar espalhadas por Amesterdão, Paris, Dublin e Madrid.

Agora o banco afirma estar focado nos clientes com “alto património líquido”, que têm uma riqueza total a rondar os 25 milhões de dólares (21 milhões de euros) e pelo menos 10 milhões (8,4 milhões) desse dinheiro com o Citigroup. “O Luxemburgo é conhecido como um centro de riqueza internacional com uma cultura estabelecida de escritórios internacionais”, afirma a mesma fonte.

Recomendadas

Nasce manifesto anti-Tomás Correia para o Montepio

Um conjunto composto por várias dezenas de associados e associadas da Associação Mutualista Montepio decidiu assinar um Manifesto, intitulado ‘Construir a Confiança – Por um Montepio Competente, Solidário e Responsável’.

Elisa Ferreira: Banca portuguesa está a caminho da estabilização, mas “os riscos” continuam.

A vice-Governadora do Banco de Portugal que tem o pelouro da supervisão diz em entrevista à Antena 1/Negócios que “a Banca portuguesa intervencionada está a caminho da estabilização, mas os riscos continuam”, sem no entanto detalhar. “O risco de uma nova crise vem da nova economia, das bitcoins e dos chamados bancos sombra”, defendeu na mesma entrevista Elisa Ferreira.

PremiumCarlos Tavares pede autorização para ser ‘Chairman’ e CEO por mais tempo

O nome de Álvaro Nascimento foi rejeitado pelos membros do Conselho Geral da Associação Mutualista. A CEMG precisa de escolher novo ‘Chairman’.
Comentários