Clima de negócios recua em janeiro após máximo de 32 anos em dezembro

De acordo com os dados da Direção-Geral dos Assuntos Económicos e Financeiros da Comissão Europeia, este recuo deve-se sobretudo a uma pior avaliação dos empresários relativamente ao histórico de produção e à disponibilidade de produtos para entrega.

O principal indicador que mede o clima de negócios na zona euro recuou 0,06 pontos em janeiro, face ao máximo de 32 anos atingido em dezembro, fixando-se nos 1,54 pontos, divulgou hoje a Comissão Europeia.

De acordo com os dados da Direção-Geral dos Assuntos Económicos e Financeiros da Comissão Europeia, este recuo – que se segue à subida de 0,12 pontos em dezembro face a novembro, quando chegou a um novo máximo desde 1985 – deve-se sobretudo a uma pior avaliação dos empresários relativamente ao histórico de produção e à disponibilidade de produtos para entrega.

As avaliações da carteira de encomendas e da de exportações melhoraram, enquanto a das expectativas de produção se manteve inalterada.

 

Recomendadas

Apoio a Rui Rio: o que diz o documento que o PSD Lisboa não vai subscrever

Apesar de vários presidentes de distritais sociais-democratas terem expressado dúvidas quanto à forma e conteúdo do texto, o documento será assinado por todos, à exceção do PSD-Lisboa.

Bruno de Carvalho vai impugnar eleições do Sporting

Decisão é sustentada “por terem sido precedidas de várias ilegalidades, algumas já comprovadas pelos tribunais e revestidas de um grave desrespeito pela democracia”.

Pobreza multidimensional afeta cerca de 1,3 mil milhões de pessoas no mundo

Números do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento Humano (PNUD) indicam a existência de 662 milhões de crianças de 104 países em situação de pobreza multidimensional, entre 1,3 mil milhões de pessoas.
Comentários