Coimbra, Viana do Castelo e Évora com as maiores subidas nos preços das casas

Tendo em conta o balanço dos preços do último ano, Coimbra foi a cidade com a maior subida de preço, com um aumento de 15,2%, seguido por Viana do Castelo com um aumento de 13,9% e de Évora, com 13%.

DR

O preço das casas em Portugal continuam a aumentar, mesmo em tempo de pandemia global. De acordo com a plataforma idealista, os preços das casas subiram 0,5% durante o segundo trimestre de 2020 face ao período anterior, com o metro quadrado a fixar-se em 2.070 euros.

Comparativamente aos primeiros três meses do ano passado, ou seja, desde o primeiro trimestre de 2019, o preço da habitação em Portugal aumentou 7,1%. Tendo em conta o balanço dos preços do último ano, Coimbra foi a cidade com a maior subida de preço, com um aumento de 15,2%, seguido por Viana do Castelo com um aumento de 13,9% e de Évora, com 13%.

O Norte e o Algarve foram as regiões que assistiram a um aumento de preços em termos trimestrais, com uma subida de 2,8% e 1,9%, respetivamente. Contrariamente, os preços desceram -1,6% no Alentejo, -0,6% na Região Autónoma da Madeira, -0,3% na Área Metropolitana de Lisboa e -0,2% no Centro.

Apesar do preço na Área Metropolitana de Lisboa ter diminuído durante o segundo trimestre, a região continua a ser a mais cara, com o preço do metro quadrado fixado em 2.997 euros, seguindo-lhe o Algarve a 2.295 euros por metro quadrado. A região Norte tem o metro quadrado fixado em 1.795 euros e a Região Autónoma da Madeira a 1.557 euros o metro quadrado.

Por sua vez, o Alentejo e o Centro permanecem como as regiões mais baratas, ainda que o preço por metro quadrado seja superior a mil euros. No Alentejo, o preço da habitação fixou-se em 1.031 euros por metro quadrado, enquanto no Centro o metro quadrado está avaliado em 1.038 euros.

O Idealista analisou ainda os preços das casas por distrito, com o Porto a representar o maior aumento e Beja a maior quebra. O Porto observou um aumento de 3,4%, Braga de 2,6%, Setúbal de 2,4%, Aveiro de 2,2%, Faro de 1,9%, Viseu de 1,7% e Coimbra verificou um aumento de 0,7%.

Por outro lado, os preços em Beja desceram -3%, em Leiria -1,2%, na Guarda -0,9% e em Santarém e na ilha da Madeira -0,6%. Também em Évora desceram -0,2% e em Lisboa diminuíram -0,1%, mantendo-se relativamente estáveis.

Ainda assim, Lisboa continua a ser o distrito mais caro, com cada metro quadrado avaliado em 3.317 euros, seguindo-se Faro a 2.295 euros o metro quadrado e o Porto a 2.073 euros. Por sua vez, a Guarda destaca-se por ter o preço mais económico, a 641 euros o metro quadrado. O metro quadrado em Portalegre custa 645 euros, em Castelo Branco custa 696 euros e em Bragança 751 euros.

De acordo com a plataforma, os preços aumentaram em 14 capitais de distrito, com Coimbra a liderar a lista com uma subida de 3,9%, enquanto Santarém lidera a lista onde os preços mais desceram, verificando uma quebra de 5,2%.

Lisboa continua a ser a cidade onde é mais caro comprar casa, com o metro quadrado avaliado em 4.664 euros, seguindo-lhe o Porto com 2.876 euros por metro quadrado e Faro com 1.911 euros por metro quadrado. As capitais de distrito mais económicas são Guarda, com o metro quadrado avaliado em 637 euros, em Castelo Branco o metro quadrado vale 731 euros e em Bragança 753 euros.

Ler mais
Recomendadas

Governo admite que Programa de Arrendamento Acessível ficou aquém das expectativas

“Não, eu queria mais. Nós neste momento ainda não chegámos às três centenas de contratos já firmados. Não nos chega, nós queremos muito mais”, afirmou a secretária de Estado da Habitação, Ana Pinho.

Custos de construção na habitação nova registam aumento de 0,9% em maio

Este valor representa um crescimento de 0,6 pontos percentuais (p.p) face ao verificado no mês anterior. Já os custos da mão de obra aumentaram 1,4%, registando-se uma quebra de 0,4 p.p em relação ao mês de abril.

Câmara de Lisboa prevê arrendar 177 casas a proprietários privados no programa Renda Segura

A Câmara Municipal de Lisboa anunciou hoje o arrendamento de 177 casas, a um valor médio de 723 euros, no âmbito do primeiro concurso do Renda Segura, que visa o subarrendamento pela autarquia no Programa de Renda Acessível.
Comentários